Mais um pelo caminho. Bilionário Bloomberg desiste e apoia Biden

Michael Bloomberg apostou as fichas todas na chamada super terça-feira, mas não venceu em nenhum dos 14 estados que foram a votos. Como consolação venceu no território da Samoa Americana.

"Sempre acreditei que derrotar Donald Trump começa com a união em torno do candidato com a melhor hipótese. Depois da votação de ontem, é claro que o candidato é o meu amigo e um grande americano, Joe Biden", disse Bloomberg numa declaração em que anunciou o fim da sua campanha.

A desistência acontece depois de ter investido mais de 500 milhões de dólares em publicidade, e apostado na chamada super terça-feira, jornada eleitoral das primárias democratas em que é eleito mais de um terço dos delegados ao Congresso Democrata, em votações que decorreram em 14 estados norte-americanos.

Bloomberg não venceu em qualquer estado, pelo que as possibilidades de vencer a corrida tornaram-se diminutas. Além de não ter ganho ficou em quarto lugar em cinco estados, incluindo na Virgínia, onde gastou muito mais do que Biden.

A campanha do antigo vice-presidente parecia tremida há uma semana, mas uma vitória na Carolina do Sul deu novo alento. Seguiram-se as desistências de Pete Buttigieg e de Amy Klobuchar, que prometeram apoiar Biden. Agora junta-se Bloomberg, de 78 anos.

"Eu conheço Joe há muito tempo. Conheço a sua decência, a sua honestidade e o seu compromisso com as questões que são tão importantes para o nosso país - incluindo a política das armas, a saúde, as alterações climáticas e a qualidade dos empregos", concluiu o empresário e ex-mayor de Nova Iorque.

Como prémio de consolação, Bloomberg venceu na Samoa Americana, território do Pacífico com 55 mil habitantes controlado pelo EUA.

A estratégia da campanha de Bloomberg -- passar ao lado dos quatro estados onde começam as primárias e não aceitar donativos (impedindo-o de participar em debates por não ter apoiantes num mínimo de estados) -- revelou-se um flop, apesar de ainda há horas elogiar a campanha. "Enquanto os meus colegas candidatos passaram um ano inteiro concentrados nos primeiros quatro estados, eu estava em campanha contra Donald Trump nos estados onde a eleição será realmente decidida", afirmou.

Joe Biden terá vencido em oito estados e Bernie Sanders em quatro (os resultados não estão fechados na Califórnia). Desta forma, o homem que foi vice de Barack Obama tem 467 delegados, o senador independente de Vermont tem 392 e a senadora do Massachussetts Elizabeth Warren, que nem no seu estado venceu, conta com 51 delegados. Bloomberg elegeu 45 delegados.

Quem não deixou passar em claro a desistência de Bloomberg foi Donald Trump. O presidente, que tem chamado ao bilionário de "Mini Mike", escreveu no Twitter: "Eu podia ter avisado há muito que ele não tem o que é necessário [para vencer] e que podia ter poupado mil milhões de dólares, o verdadeiro custo [da campanha]. Agora ele vai investir dinheiro na campanha do Joe Sonolento, e com isso espera salvar a face. Isso não vai funcionar!".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG