Mais de mil migrantes mortos no Mediterrâneo pelo sexto ano consecutivo

Pelo menos 15 mil pessoas já morreram a tentar atravessar o Mediterrâneo desde 2014.

Este ano já morreram mais de mil migrantes no Mar Mediterrâneo, tendo esta "marca sombria" sido ultrapassada pelo sexto ano consecutivo, segundo a Agência das Nações Unidos para os Refugiados (ACNUR).

"A ACNUR apela urgentemente para um aumento da capacidade de busca e salvamento, incluindo o regresso dos navios da União Europeia a essas operações, e um reconhecimento do papel crucial dos navios das organizações não-governamentais no salvamento de vidas no mar", disse o porta-voz da agência, Charlie Yaxley.

"As coisas devem mudar. Temos que fazer mais. A prioridade tem que ser salvar vidas", indicou no Twitter, defendendo também a necessidade de fazer mais para impedir que estas pessoas comecem as suas viagem. "Precisamos de caminhos seguros, legais e alternativos para o acesso ao asilo na Europa. As pessoas nunca deviam sentir que não têm outra escolha do que pôr as suas vidas nas mãos de contrabandistas.

Pelo menos 15 mil pessoas já morreram a tentar atravessar o Mediterrâneo desde 2014, segundo os dados da Organização Internacional de Migrações.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.