Mais de dez feridos em confrontos entre estudantes e polícia no México

Alunos bloquearam os caminhos-de-ferro para exigirem contratação como professores no sistema de ensino público

Confrontos na terça-feira entre estudantes e polícias antimotim no estado mexicano de Michoacán resultaram em mais de uma dezena de feridos.

Alunos da Escola Normal Vasco de Quiroga bloquearam os caminhos-de-ferro perto da instituição de ensino para exigirem a sua contratação como professores no sistema de ensino público quando acabarem o curso, segundo indicou a polícia estatal à agência Efe.

Mais de 200 agentes antimotim foram destacados para a zona e o confronto entre polícias e estudantes durou mais de três horas e estendeu-se a diversas ruas.

Os polícias lançaram uma centena de granadas de gás lacrimogénio e os estudantes usaram explosivos caseiros feitos à base de gasolina e substâncias químicas.

Foram incendiadas quatro viaturas pelos alunos que, ao fim de três horas, regressam à escola, a qual funciona como albergue estudantil, onde mantêm sob seu controlo pelo menos oito veículos de que se apoderaram antes do confronto com a polícia.

Os estudantes reportaram que quatro deles apresentam ferimentos na cabeça e abdómen causados pelas granadas de gás lacrimogénio.

Já a polícia estatal indicou que sete agentes têm ferimentos e fraturas e que um outro sofreu queimaduras graves nos genitais provocadas por um artefacto atirado pelos estudantes.

Na Escola Normal, localizada na zona rural de Tiripetío, formam-se em cada ano letivo 600 jovens, do sexo masculino, como professores do ensino básico, que se apoderam de veículos e bloqueiam estradas para exigir bolsas e contratos ao governo estatal.

Empresas do transporte de passageiros interpuseram, em 2015, diversas ações judiciais pelo roubo de autocarros, recaindo mandados de detenção sobre pelo menos 30 estudantes da escola.

Exclusivos