Maçons queixam-se de estigmatização injusta em anúncios de jornal

A Grande Loja Unida de Inglaterra descreve-se como uma organização fraternal com objetivos caritativos

Os maçons britânicos colocaram na quinta-feira anúncios nos principais jornais para afirmarem que estão ser estigmatizados injustamente, depois de notícias de lojas clandestinas para jornalistas e políticos ressuscitarem alegações velhas, de séculos, de conspirações secretas.

A Grande Loja Unida de Inglaterra, que se descreve como uma organização fraternal com objetivos caritativos, publicou o anúncio sob a designação "Basta o que basta", assegurando que os maçons são vítimas de "persistente e grosseira deturpação".

Os anúncios apareceram em jornais como o Daily Telegraph e o Times.

"Os nossos membros não têm de se sentir estigmatizados", afirmou-se no anúncio.

Os maçons, que garantem que personalidades como George Washington e Benjamin Franklin foram seus membros, têm estado sujeitos a teorias da conspiração desde que a organização fraternal foi fundada há cerca de 300 anos.

O papa Clemente XII condenou a maçonaria em 1738 e uma comissão do parlamento britânico investigou o papel dos maçons na vida pública tão recentemente quanto 1999.

O diário The Guardian alimentou hoje estas teses, ao noticiar que duas lojas de membros do parlamento e jornalistas políticos "continuam a operar de forma secreta em Westminster".

David Staples, dirigente da Grande Loja Unida, afirmou que o tratamento da organização equivale a discriminação e que escreveu à comissão do Reino Unido para a Igualdade e Direitos Humanos sobre o assunto.

Mas Staples também disse que compreendia que as pessoas tivessem questões "sobre quem são e o que fazem os maçons" e que a maçonaria iria ter portas abertas e sessões de perguntas e respostas em todo o país nos próximos meses.

Adiantou que Loja recolheu mais de 33 milhões de libras (37,5 milhões de euros) para causas humanitárias no ano passado.

Entende-se que a Franco Maçonaria foi criada na Inglaterra e Escócia na Idade Média, enquanto organização dos construtores das grandes catedrais da Europa.

Mas sobreviveu enquanto organização social e ao longo do tempo a fraternidade espalhou-se pelo mundo, juntamente com os seus rituais e cerimónias.

O seu caráter clandestino e o uso elaborado de símbolos conduziram também à desconfiança, afirmou Andreas Onnerfors, autor do livro "Freemasonry: A Very Short Introduction" ("Maçonaria: Uma Introdução Muito Breve").

Para este autor, a perspectuiva pública da maçonaria geralmente cai em um de dois campos: idealização ou desconfiança.

Um promove a ideia de que o objetivo da maçonaria é "desenvolver uma responsabilidade caritativa pelo conjunto da humanidade", enquanto o outro sugere que o grupo "interfere em significativos setores da sociedade".

Onnerfors realçou que a recente polémica associada à decisão britânica de sair da União Europeia, o designado 'Brexit', criou um mal-estar político que autorizou o florescimento das teorias da conspiração, juntamente com preocupações com a eventualidade de organizações secretas terem influência no Governo.

"Toda a questão do 'Brexit' libertou medos existenciais quanto à posição do Reino Unido na Europa e no mundo", afirmou Onnerfors, professor associado na Universidade de Gotemburgo, na Suécia. "Você tem aquele medo de não saber para vai a política", acentuou.

Mas, na quinta-feira, o anúncio ofereceu uma nova página, com Staples a utilizar os novos meios para argumentar que a maçonaria é apenas um grupo fraternal.

"Eu gosto que tenham questões sobre quem somos e o que fazemos, portanto, por que não perguntar a quem sabe?", disse.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...