MacKenzie Bezos vai ser a mulher mais rica do mundo?

O anunciado divórcio de Jeff Bezos, CEO da Amazon e considerado o homem mais rico do mundo, virou os holofotes para a sua mulher, a escritora MacKenzie Bezos

O homem mais rico do mundo e CEO da Amazon, Jeff Bezos, anunciou na quarta-feira que se vai divorciar de MacKenzie Bezos, sua companheira há 25 anos. No Twitter, o casal garante que a amizade entre eles vai continuar. Mas, para além das questões amorosas, este divórcio terá um impacto considerável nas suas contas bancárias.

Como não há conhecimento de um acordo de divisão de bens feito antes do casamento, o mais provável é que o dinheiro e as propriedades sejam divididos igualmente entre os cônjuges - como costuma acontecer no estado de Washington, onde eles casaram. Assim, se hoje Bezos, de 55 anos, ocupa o primeiro lugar da lista de multimilionários da revista Forbes com uma fortuna avaliada em 135 mil milhões de dólares (mais de 117 mil milhões de euros), solteiro irá certamente perder o seu posto. Já MacKenzie Bezos, de 48 anos, irá, com a divisão de bens, muito provavelmente ganhar um lugar de destaque nesta lista.

Mas a verdade é que ela já é mesmo uma das mulheres mais ricas do mundo. Afinal, como se costuma dizer, "são precisos dois para dançar o tango". E a fortuna de Jeff Bezos não é obra de um homem só nem lhe pertence em exclusivo.

Foi amor à primeira gargalhada

Jeff e MacKenzie conheceram-se em Nova Iorque, antes da fundação da Amazon e ela teve um papel importante na empresa, principalmente nos primeiros anos. Tinha terminado os estudos em Princeton em 1992, tinha 23 anos e sonhava ser escritora mas precisava pagar as contas e por isso arranjou um emprego na D.E. Shaw, uma empresa recém-criada que geria fundos de investimento e onde Bezos já trabalhava. "O meu escritório era ao lado do dele e passava o dia a ouvir aquelas maravilhosas gargalhadas", recordou ela, mais tarde, numa entrevista.

Casaram-se seis meses depois e no ano seguinte deixaram o apartamento no Upper West Side de Manhattan e uma vida confortável e mudaram-se para Seattle, para começar uma nova empresa: uma livraria online. "A única razão pela qual [Jeff] pôde fazer isso foi porque tinha uma esposa que o apoiava incondicionalmente. Foi um risco incrível que eles decidiram correr juntos", escreve Brad Stone no livro The Everything Store: Jeff Bezos and the Age of Amazon, publicado em 2013.

Em Seattle, Jeff arrendou uma garagem para instalar a Amazon e MacKenzie participou no processo desde o início - foi ela que tomou conta da contabilidade da empresa nos primeiros tempos e negociou os primeiros contratos da Amazon com a Starbucks, por exemplo. Quando o livro de Brad Stone foi publicado, MacKenzie deixou uma crítica na página da Amazon. Deu-lhe apenas uma estrela e identificou inúmeros erros, mas lembrou o seu papel no nascimento da empresa: "Trabalhei para Jeff na D.E. Shaw, estava lá quando ele fez o plano de negócios [da Amazon] e trabalhei com ele e outras pessoas na garagem, no armazém, nos escritórios com cheiro a churrasco, nos centros de distribuição para o natal e nos balcões das salas de conferência nos primeiros anos da história da Amazon".

À medida que a empresa cresceu, outros funcionários foram contratados e MacKenzie deixou de estar tão presente no dia-a-dia, mas continuou a ser um pilar não só da Amazon como sobretudo de Jeff. Tiveram quatro filhos (três rapazes e uma rapariga) e MacKenzie escreveu dois romances: The Testing of Luther Albright, que ganhou o American Book Award em 2006, e Traps, em 2013. Por esta altura, a Vogue publicou um perfil desta mulher que poderia até ter escrito mais livros e ser uma autora de grande sucesso mas que optou por se dedicar à família, incluindo ensinar os filhos em casa por alguns períodos. Nas palavras de um amigo, citado pela Vogue: "A família é muito importante para Jeff e ele confia completamente nela [MacKenzie] para criar uma vida familiar estável". Jeff tomava sempre o pequeno-almoço com a família e era ele quem lavava a loiça

MacKenzie acompanhava o marido em vários eventos públicos mas, de uma maneira geral, preferia manter a sua privacidade e não aparecer. Recentemente, o casal também se tem dedicado à filantropia, financiando por exemplo investigações científicas e recolhendo fundos para os sem-abrigo. E MacKenzie Bezos lançou uma campanha contra o bullying, denominada Bystander Revolution.

Uma fortuna a dividir por dois?

De acordo com a legislação do estado de Washington, onde é provável que entre o processo de divórcio, e não havendo um acordo pré-nupcial, os bens adquiridos durante um longo casamento são geralmente divididos igualmente entre os dois elementos do casal. "O objetivo do tribunal quando há uma fortuna considerável é que dois esposos num casamento longo, de 20 anos ou mais, após o divórcio, consigam ficar bem na vida e que a divisão seja justa, tendo em conta o contexto do casamento", explicou ao The Guardian um advogado especialista em Direito da Família.

Mas não é fácil dividir esta fortuna ao meio. Além do enorme património (casas, contas bancárias e outros bens), com o divórcio, MacKenzie poderá ter também mais poder na Amazon. Grande parte da fortuna do CEO está em ações da Amazon - Jeff Bezos detém cerca de 79 milhões de ações da empresa, o que representa uma participação de 16%. O segundo maior acionista atualmente é o fundo Vanguard, com 6%. Os especialistas consultados pelo Business Insider afirmam que MacKenzie poderá receber metade das ações, ou seja, 8% de participação na gigante do comércio eletrónico.

Outra opção é Bezos vender metade de suas ações e MacKenzie receber a sua parte em dinheiro. Se a escolha do casal for pela venda de ações, o preço dos ativos da empresa deve cair e os analistas dizem que Bezos quererá evitar esta solução.

Existe também a opção de o casal fazer um acordo pós-nupcial e combinar outro tipo de divisão da fortuna. Jeff Bezos pode alegar que o valor das ações da Amazon se deve ao seu trabalho pessoal e que estas não devem entrar nas contas do divórcio (MacKennzie estará disposta a abdicar de parte da fortuna?). Ou então podem não chegar a qualquer acordo e entrar num processo de divórcio litigioso.

Tendo em conta a mensagem do Twitter do casal, essa hipótese é pouco provável mas, como afirmou ao Business Insider Deirdre Bowen, professora de Direito da Universidade de Seattle, nos casos de divórcio tudo pode mudar a qualquer momento. Há traições que se descobrem (e os sites de fofocas já começaram a falar da nova namorada de Bezos), rancores que aparecem. Ainda há que ter em conta quem vai ficar com a guarda dos filhos.

Uma coisa é certa: na próxima vez que se fizer uma lista dos mais ricos do mundo, é muito provável que o nome de MacKenzie Tuttle (este é o seu apelido de solteira) apareça.

De acordo com a Forbes, atualmente a mulher mais rica do mundo é Françoise Bettencourt Meyers, herdeira da L'Oreal, que detém 42,2 mil milhões de dólares (mais de 36,6 milhões de euros). A maioria das mulheres que estão nesta lista conseguiram a sua fortuna através de heranças ou do divórcio.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.