Macedónia do Norte avança para eleições antecipadas após recusa da UE

A Macedónia do Norte é desde 2005 candidato oficial para a adesão à UE, mas o início das negociações com Bruxelas foi sistematicamente adiado, em particular devido ao contencioso com a Grécia sobre o nome da ex-república jugoslava.

O primeiro-ministro da Macedónia do Norte, Zoran Zaev, apelou este sábado à realização de eleições antecipadas, após a recusa da União Europeia em abrir negociações para a adesão do país dos Balcãs.

"Aqui está o que proponho: a organização rápida de eleições para que vós, cidadãos, decidam o rumo que devemos tomar", declarou o governante, numa declaração transmitida pela televisão.

A deceção alastrou sexta-feira na Macedónia do Norte, após a União Europeia não ter garantido um consenso entre os estados-membros sobre a abertura de negociações de adesão.

A oposição macedónia solicitou a demissão imediata do primeiro-ministro, Zoran Zaev, enquanto o presidente Stevo Pendarovski se dirigiu ao país.

A Macedónia do Norte é desde 2005 candidato oficial para a adesão à UE, mas o início das negociações com Bruxelas foi sistematicamente adiado, em particular devido ao contencioso com a Grécia sobre o nome da ex-república jugoslava.

Nos dois últimos anos, o Governo social-democrata de Skopje firmou acordos bilaterais com a Bulgária e a Grécia para ultrapassar as tensões regionais, e aguardava que estes progressos se traduzissem numa adesão mais rápida à UE e NATO, os dois principais objetivos da política externa de Zaev.

Após o acordo com Atenas, a Antiga República Jugoslava da Macedónia (Fyrom, na sigla inglesa) passou a designar-se Macedónia do Norte e a Grécia levantou o seu veto para a adesão do país vizinho à NATO, um processo que está em marcha e que tornará a Macedónia do Norte no 30.º membro oficial da Aliança nos próximos meses. A Albânia foi integrada em 2009, juntamente com a Croácia.

Durante a visita à Macedónia do Norte do secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, no início de outubro, foi manifestado o apoio de Washington à adesão do pequeno país balcânico à UE e NATO, com o objetivo de contrariar a crescente influência da Rússia e da China nos Balcãs, duas potências mundiais e que em diversos setores da política interna macedónia são considerados parceiros alternativos à União Europeia.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.