Los Angeles: avião para o Hawai descola e volta a aterrar três vezes

Um voo com destino a Maui, com 207 passageiros a bordo, fez três tentativas para fazer a viagem. Devido a problemas técnicos teve mesmo de ficar em terra

Um avião da Hawaian Airlines que deveria ter seguido do aeroporto de Los Angeles para Maui, no Hawai, descolou e voltou atrás três vezes, deixando exasperados os mais de 200 passageiros. Segundo o diretor da companhia, Alex da Silva, na origem das tentativas frustradas de seguir viagem estiveram "problemas técnicos não relacionados entre si".

Os 207 passageiros do voo, agendado para este sábado, foram reembolsados do custo do bilhete e receberam mais cerca de 80 euros de crédito para uma nova passagem. A companhia distribuiu a maior parte dos passageiro por outros voos, mas aos que preferiram recuperar em terra, pagou hotel e refeições.

"A segurança é nossa maior prioridade, e pedimos desculpas pelo inconveniente de todos os nossos passageiros que estavam a bordo do voo 33 do Aeroporto Internacional de Los Angeles (LAX) para o Aeroporto de Kahului, em Maui", disse a Hawaiian Airlines.

"Entendemos a deceção de nossos passageiros e lamentamos profundamente que seus planos de viagem tenham sido interrompidos", concluiu a companhia.

Este percurso, entre Los Angeles e Maiu é classificado como de risco (ETOPS - Extended Twin Engine Operations) com exigências de segurança acrescidas. "Esses voos têm requisitos de segurança mais rigorosos devido à maior distância entre aeroportos", disse a companhia aérea.

"Quando há uma anormalidade em um voo terrestre, ele pode e geralmente continua até seu destino. No entanto, os voos ETOPS operam com um padrão de segurança mais rigoroso. As nossas aeronaves têm sistemas redundantes, mas o nosso padrão é responder a qualquer indicação de anormalidades com uma cautela acrescida".

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.