Londres divulga esta segunda-feira lista de países que entram nos primeiros "corredores aéreos"

O governo britânico divulga esta segunda-feira a lista de países que serão incluídos nos primeiros "corredores aéreos" com o Reino Unido a partir do início de julho, havendo ainda dúvidas quanto à inclusão de Portugal.

O Governo britânico está a avaliar a criação de "corredores de viagem" com uma série de destinos para que os britânicos possam ir de férias sem precisar de cumprir a quarentena de 14 dias no seu regresso ao Reino Unido atualmente em vigor.

Segundo a BBC noticiou no sábado, o Reino Unido vai abrir a 6 de julho corredores de viagem e a lista de países deve incluir Espanha, França, Grécia, Itália, Alemanha, Holanda, Bélgica, Finlândia, Noruega e Turquia, mas não Portugal ou a Suécia. Neste momento, sobretudo o Algarve, está na expectativa quanto à decisão, já que a confirmar-se a exclusão de Portugal a região vai sofrer graves danos económicos devido à ausência de turistas do Reino Unido.

Citado pela BBC, um porta-voz do governo afirmou que as novas regras vão dar aos britânicos "a oportunidade de umas férias de verão no estrangeiro", mas frisou que o alívio de medidas depende da manutenção de um risco baixo de propagação do vírus.

O Governo "não hesitará em travar" as novas regras se a situação epidemiológica evoluir desfavoravelmente. Portugal e a Suécia, que têm registado um aumento do número de infeções, deverão ser classificados com a cor vermelha, segundo o esquema de cores que Londres prevê aplicar.

De acordo com a edição de quinta-feira do Daily Telegraph, o Governo britânico está a delinear um plano com três etapas, a primeira das quais prevê acordos com destinos de férias populares na Europa, incluindo França, Itália, Espanha, Grécia e Alemanha. Porém, adianta o jornal, estes países de "baixo risco" não deverão incluir Portugal devido ao aumento de casos de coronavírus nos últimos dias na região de Lisboa e sul do país.

O porta-voz citado pela BBC reconheceu, contudo, que nada impede um turista britânico de viajar para um aeroporto em Espanha, seguir de automóvel até Portugal e, depois das férias, regressar ao seu país da mesma forma, de carro até Espanha e, daí, de avião para o Reino Unido.

O jornal The Sun coloca Portugal em dúvida, mas o Daily Mail refere que "é provável que seja incluído na lista de destinos, apesar de preocupações com surtos" no país.

A região do Algarve, refira-se, é a que sentirá mais o impacto da abertura ou não do corredor aéreo entre o Reino Unido e Portugal.

Segundo a imprensa britânica, numa segunda fase, a partir de agosto, seriam adicionados destinos de médio curso, como Turquia, Marrocos, além de ilhas francesas da Reunião no Oceano Índico, algumas ilhas das Caraíbas e Dubai.

No final do verão serão incluídos países que implicam voos de longo curso, como Vietname, Singapura, Hong Kong ou Canadá, embora as listas de nomes variem.

O ministro dos Transportes britânico, Grant Shapps, afirmou na quarta-feira que a lista de países com os primeiros "corredores" será revelada esta segunda-feira, quando está prevista a primeira revisão desde que entrou em prática a quarentena, introduzida há três semanas para tentar travar a pandemia de covid-19.

Desde 8 de junho que todas as pessoas que chegam do estrangeiro ao Reino Unido, incluindo britânicos, são obrigadas a permanecer em isolamento durante 14 dias para reduzir a probabilidade de contágio.

MAI diz que não é em Portugal que está em risco

Na sexta-feira, o ministro da Administração Interna português, Eduardo Cabrita, disse que "não há nenhuma razão" para a aplicação de quarentena no regresso ao Reino Unido, mas não quis antecipar o anúncio do Governo britânico sobre o corredor aéreo com Portugal.

"Estamos, designadamente com o Reino Unido, a evidenciar aquilo que é óbvio: Portugal tem melhores indicadores de saúde pública e melhores indicadores de resposta à pandemia do que o Reino Unido. Por isso, não há nenhuma razão, de acordo com os critérios comparativos, para a existência de qualquer aplicação de regras de quarentena no regresso ao Reino Unido", disse o governante, à margem da apresentação do programa "Algarve Seguro", em Faro.

Portugal é um dos países que tem manifestado interesse em negociar um "corredor aéreo" com o Reino Unido para poder receber turistas britânicos, que representaram quase 20% do total em 2019.

A secretária de Estado do Turismo de Portugal, Rita Marques, frisou à BBC que Portugal foi nomeado o destino mais seguro da Europa pelo Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC) e é um "destino 'clean & safe'".

"Alguns países estão nesta lista e Portugal está a lutar por um lugar", disse a secretária de Estado, acrescentando que a situação está "completamente sob controlo" e está a ser feito um número significativo de testes.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG