Líder supremo quer reforçar relações com vizinhos face à crise na região

Ali Khamenei reuniu-se com emir do Qatar e defendeu que, mais do que nunca, região do Golfo deve estar unida.

O líder supremo iraniano, Ali Khamenei, disse este domingo que a situação na região do Golfo requer, "mais do que nunca, um fortalecimento das relações entre Estados vizinhos".

"O Irão tem anunciado estar pronto para estabelecer laços mais fortes com os países da região", disse o ayatollah Ali Khamenei numa mensagem publicada na rede social Twitter.

O líder iraniano, que publicou a mensagem pouco depois de um encontro com o emir do Qatar, em Bagdade, referiu ainda a "presença corrupta" dos Estados Unidos e dos seus aliados na região.

O líder supremo do Irão prometeu vingar a morte do general iraniano Qassem Soleimani no próprio dia em que foi abatido num ataque ordenado pelo presidente dos Estados Unidos.

"O martírio é a recompensa pelo trabalho incansável durante todos estes anos. Se Deus quiser, o seu trabalho e o seu caminho não vão acabar aqui. Uma vingança implacável aguarda os criminosos que encheram as mãos com o seu sangue e o sangue de outros mártires", afirmou na altura Ali Khamenei.

O líder supremo declarou três dias de luto pela morte do comandante da força de elite iraniana Al-Quds, que descreveu como "símbolo internacional de resistência", de acordo com uma declaração lida na televisão estatal.

O conflito entre o Irão e os Estados Unidos tem sido alvo de vários apelos e conversações para formar alianças de um lado e do outro.

Na quinta-feira passada, Donald Trump anunciou que vai pedir à NATO para se envolver mais nos processos do Médio Oriente e sugeriu aos países signatários do tratado nuclear com o Irão para procurarem um novo acordo.

Durante uma comunicação ao país, horas depois de dois ataques com mísseis lançados pelas forças iranianas contra bases militares no Iraque que albergam militares norte-americanos, Donald Trump disse não querer uma guerra com o Irão e pediu aos aliados para colaborarem no processo de paz no Médio Oriente.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG