Liberdade religiosa no mundo diminuiu nos últimos dois anos

Em países como Arábia Saudita ou Somália situação manteve-se porque já era muito má. Refugiados pioram cenário na Europa

A liberdade religiosa do mundo diminuiu nos últimos dois anos, sendo que em países como a Síria, o Iraque, Afeganistão, Nigéria, Coreia do Norte, Arábia Saudita e Somália a situação já era tão má que se manteve. Estas são algumas das conclusões do relatório de 2016 Liberdade Religiosa no Mundo da Fundação AIS e que será apresentado amanhã em Lisboa.

Entre junho de 2014 e junho de 2016, "a liberdade religiosa diminuiu em onze - quase metade - dos 23 países com piores infrações. Noutros sete países desta categoria, os problemas já eram tão maus que dificilmente poderiam ficar piores", pode ler-se no documento. "A nossa análise também revela que, dos 38 países com violações mais significativas da liberdade religiosa, 55% permaneceram estáveis em relação à liberdade religiosa e em 8%, nomeadamente no Butão, no Egito e no Catar, a situação melhorou."

Este cenário deve-se, em grande parte, ao facto de nos últimos dois anos ter surgido "um novo fenómeno de violência com motivação religiosa, que pode ser descrita como hiper-extremismo islamita, um processo de radicalização intensificada, sem precedentes na sua expressão violenta", refere o relatório.

Uma violência que pode ser traduzida em eventos em todo o mundo - desde 2014, ocorreram ataques islamitas violentos num em cada cinco países de todo o mundo, desde a Suécia à Austrália, incluindo 17 países africanos. Mas não só: na Ásia Central, a violência hiper-extremista está a ser usada pelos regimes autoritários como pretexto para uma "repressão desproporcionada das minorias religiosas, cerceando liberdades civis de todos os tipos, incluindo a liberdade religiosa".

Em países como a Síria e o Iraque, "este hiper-extremismo está a eliminar todas as formas de liberdade religiosa". Na Síria, mas também no Afeganistão e na Somália, "tem sido um fator-chave na repentina explosão de refugiados".

A vinda destes refugiados para a Europa está a ter como consequência a diminuição da liberdade religiosa no Velho Continente. "Este hiper-extremismo está em risco de destabilizar o tecido sócio-religioso, com países esporadicamente alvo de fanáticos e sob pressão de receberem números sem precedentes de refugiados, maioritariamente de uma fé diferente das comunidades autóctones", sublinha o documento.

O que leva ao "aumento de grupos populistas e de direita, restrições ao livre movimento, discriminação e violência contra religiões minoritárias", sublinha a Fundação AIS. Exemplo: em março, um comerciante muçulmano em Glasgow, na Escócia, Reino Unido, foi assassinado num ataque com motivações religiosas depois de ter desejado boa Páscoa na sua página do Facebook.

Há nações, como a Índia, o Paquistão e a Birmânia, onde uma religião é identificada com o Estado. Nestes casos "foram dados passos para defender os direitos dessa religião, por oposição aos direitos dos crentes individuais". Ou como na China e o Turquemenistão, onde "tem havido uma repressão renovada dos grupos religiosos que se recusam a seguir a linha do partido nos regimes autoritários".

Nos países com piores infrações, incluindo a Coreia do Norte e a Eritreia, "a contínua penalização da expressão religiosa representa a negação total dos direitos e liberdades, por exemplo através do encarceramento de longa duração sem julgamento justo, da violação e do assassínio", sublinha o relatório, no qual foram analisados 196 países.

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.