Levantamento parcial do confinamento a 8 de junho em Nova Iorque

O governador do Estado de Nova Iorque anunciou esta sexta-feira a previsão de um levantamento parcial do confinamento para a cidade na semana de 8 de junho, desde que os indicadores de saúde pública sejam satisfatórios.

Esse levantamento do confinamento, em vigor desde 22 de março, afetaria apenas parte da economia, principalmente a construção e a manufatura, como parte da primeira fase do plano de reabertura do governador Andrew Cuomo.

"Estamos no caminho da reabertura a 8 de junho", disse o governador em conferencia de imprensa.

O plano só permite a suspensão do confinamento se os sete indicadores de saúde pública tiverem sinal verde, entre eles a diminuição do número de internamentos e óbitos por um período prolongado (14 dias seguidos).

Nova Iorque satisfaz apenas quatro indicadores até agora, mas Andrew Cuomo avançou estar confiante de que todos estarão verdes na próxima semana.

O governador havia autorizado previamente o levantamento do confinamento na maioria das áreas do estado, que começou a reabrir em 15 de maio.

Nova Iorque é de longe a cidade mais afetada pelo coronavírus no mundo, onde causou a morte a mais de 21.000 pessoas.

"Estamos no limiar do próximo grande passo", disse o presidente da câmara de Nova Iorque, Bill De Blasio, na conferência de imprensa do governador Andrew Cuomo.

Além da construção e da manufatura, a primeira fase do plano de recuperação económica também inclui o comércio grossista.

"A primeira fase deve trazer 400.000 trabalhadores para trabalhar em Nova Iorque", disse Andrew Cuomo, alertando que a reabertura "não significa" voltar ao normal. (...) Será diferente "da situação como era antes da pandemia.

Cada fase dura duas semanas, após as quais as autoridades garantem que se a propagação do vírus não acelerar, pode prosseguir-se para a próxima etapa. No total o plano dispõe de quatro fases.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 360 mil mortos e infetou mais de 5,8 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 2,3 milhões de doentes foram considerados curados.