Lei do aborto vai contra direitos humanos. Mas Supremo não pode fazer nada

Juízes concluíram que não têm poder para rever a legislação. Mas decisão aumenta pressão política para efetuar mudanças.

O Supremo Tribunal do Reino Unido acredita que a atual lei do aborto na Irlanda do Norte, que proíbe a interrupção da gravidez exceto quando a vida da mãe está em risco, é incompatível com a Convenção Europeia dos Direitos Humanos. Contudo, os juízes disseram não ter poder para alterar a situação.

Os juízes rejeitaram a tentativa de revogar a legislação, apresentada pela Comissão dos Direitos Humanos da Irlanda do Norte, considerando não ter jurisdição para analisar o tema, visto não existir a queixa de uma potencial vítima. Seria preciso o processo ter sido apresentado por uma mulher que esteja grávida por causa de um crime sexual ou cujo feto apresenta anomalias graves.

Quatro dos sete juízes acreditam que a atual lei é incompatível com a convenção europeia nos casos de violação e incesto. Uma quinta juíza inclui ainda os casos de anomalia do feto.

Mas esta declaração de incompatibilidade, que normalmente obrigaria a rever a lei, não tem efeito jurídico, por o caso ter sido rejeitado.

Ainda assim, o pronunciamento dos juízes deverá aumentar a pressão política sobre o governo e os políticos na Irlanda do Norte para efetuarem alterações à lei.

A assembleia regional da Irlanda do Norte, que tem poder para legislar sobre o tema, votou contra a liberalização da lei em fevereiro de 2016. A Irlanda do Norte está sem governo e sem assembleia desde que o partido nacionalista Sinn Féin abandonou o executivo liderado pelos rivais do Partido Unionista Democrático (ultra-conservador). O poder cabe então ao governo de Londres.

A ministra britânica para a Irlanda do Norte, Karen Bradley, tem dito que gostaria que a lei fosse mudada, acrescentando contudo que essa é uma decisão dos habitantes do país. O governo minoritário de Theresa May, que governa com o apoio dos dez deputados do DUP, não quer pegar no dossier polémico para não irritar os aliados.

Referendo na República na Irlanda

No mês passado, num referendo histórico, a vizinha República da Irlanda aprovou revogar a lei do aborto, uma das mais restritivas da Europa. O país de maioria católica votou 66,4% para a liberalização da interrupção da gravidez.

A lei do aborto na Irlanda do Norte é uma das mais restritivas na Europa, autorizando apenas o aborto em caso de ameaça à vida da mãe - sob ameaça de serem condenados a prisão perpétua, ao abrigo de uma lei que remonta a 1861.

No resto do Reino Unido, a interrupção de gravidez é legal desde 1967. De facto, muitas mulheres da República da Irlanda (onde o aborto ainda é ilegal até o governo proceder à alteração da legislação tendo em conta o resultado do referendo) viajam para Inglaterra ou País de Gales para interromper a gravidez.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.