Kim Kardashian pede compaixão pela doença bipolar de Kanye West. "É uma pessoa brilhante e complicada"

A estrela de reality shows falou sobre a doença bipolar do marido, o rapper que anunciou a sua candidatura às presidenciais dos EUA.

Kim Kardashian falou sobre o distúrbio bipolar do marido Kanye West e, na quarta-feira, pediu aos media e ao público para que demonstrem "compaixão e empatia" perante o comportamento errático do rapper.

No domingo, West lançou sua campanha presidencial em Charleston, na Carolina do Sul, com um discurso descoordenado, em que fez comentários polémicos sobre a abolocionista Harriet Tubman, defendeu o aborto e afirmou que que queria que a sua mulher, Kim Kardashian, abortasse quando estava grávida de sua filha North. Vestido com um colete à prova de balas com a inscrição "segurança", a estrela de rap chegou mesmo a chorar no discurso que lançou a sua candidatura à presidência dos Estados Unidos.

No dia seguinte, publicou uma série de mensagens tumultuosas na sua conta no Twitter, afirmando, entre outras coisas, que a mulher o queria internar numa clínica psiquiátrica. As mensagens acabariam por ser apagadas.

Na terça-feira, fez uma nova publicação, que também foi apagada mais tarde, alegando que queria o divórcio e acusou Kim Kardashian de ter um caso com outro rapper, Meek Mill, que negou.

Após a publicação dos tweets, a estrela do reality show Keeping Up With the Kardashians, falou sobre a doença do marido.

"Como muitos de vocês sabem, o Kanye tem doença bipolar. Percebo que o Kanye seja alvo de críticas por ser uma figura pública e por certas ações desencadearem opiniões e emoções fortes. Ele é uma pessoa brilhante, mas complicada que, no pico da pressão de ser um artista e um homem negro, que passou pela perda dolorosa da mãe, tem de lidar com o isolamento a que é votado por sofrer de um distúrbio bipolar", afirmou Kim Kardashian nos stories da rede social Instagram.

A mulher do rapper disse que "pessoas desinformadas ou longe desta realidade tendem a julgar e a não entender que, por muito que a família e os amigos o digam, têm de ser os próprios a perceber que precisam de ajuda".

Referiu que "quem conhece doenças mentais ou mesmo comportamentos compulsivos sabe que a família é impotente, a não ser que a pessoa em questão seja menor".

Na Califórnia, a lei permite que um membro da família solicite que um doente seja internado sem consentimento, para que seja submetido a uma avaliação psiquiátrica, podendo durar até 72 horas.

O procedimento requer a intervenção de um profissional de saúde, que pode decidir, no final da avaliação, prolongar a hospitalização.

As palavras do rapper nem sempre estão alinhadas com o que sente, diz a mulher

Numa das suas mensagens, que entretanto foram apagadas, Kanye West acusou a mulher de o querer internar.

"Quem conhece Kanye sabe que suas palavras nem sempre estão alinhadas com suas intenções", fez saber Kim Kardashian, que tem quatro filhos com o rapper, com quem está casada desde 2014.

Kardashian afirmou que a doença do marido "não invalida a criatividade ou os sonhos" do rapper e pediu ao público e aos media "compaixão e empatia" para que a família consiga superar este problema de saúde.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG