Kellyanne e George, a mulher que Trump adora e o homem que ele detesta

Um advogado diz que o presidente, para quem a sua mulher trabalha, tem uma doença mental. A mulher sai em defesa do patrão e critica o marido. Trump é o presidente, Kellyanne a sua conselheira e George o marido desta.

Entre marido e mulher, Trump meteu vários tweets e a mulher saiu em defesa do Presidente americano. Kellyanne Conway, a mulher, foi diretora de campanha de Donald Trump, é conselheira da Casa Branca, desde janeiro de 2017, e é casada com George Conway, descrito como um advogado conservador que, nos tempos mais recentes, não tem tido papas na língua em criticar e ridicularizar publicamente Trump no Twitter.

Nos dois últimos dias, Donald Trump usou o seu canal favorito de comunicação, o Twitter, para atacar George - e Kellyanne saiu em defesa do presidente contra o marido. Em declarações ao Politico, a conselheira descreveu George como alguém que está sempre a desferir contragolpes e que o Presidente é livre de responder quando é acusado de ter uma doença mental.

"Ele [Trump] não ligou a isto [aos ataques do marido] durante meses, por respeito a mim própria", explicou-se Conway. "Mas acha que ele não deveria responder quando alguém, um profissional não-médico, o acusa de ter um transtorno mental? Você acha que ele deveria simplesmente ficar sentado?", questionou.

Trump conteve-se sempre em responder aos ataques de George, mas desde que o advogado alegou que o presidente sofria de uma doença mental, o presidente americano perdeu as estribeiras. É um tema sensível para Trump, depois de, em dezembro de 2017, psiquiatras de todo o país terem alertado para o facto de o presidente poder sofrer de uma doença mental.

À boa maneira de Donald Trump, as coisas resolvem-se num duelo dos tempos modernos. O Presidente dos EUA sentou-se em frente a um ecrã e começou a disparar breves textos na rede social que usa de forma quase obsessiva ao longo do dia.

No último tweet publicado sobre George, esta quarta-feira, Trump arrasou o marido da sua conselheira: "George Conway, muitas vezes referido como o Sr. Kellyanne Conway por aqueles que o conhecem, tem muitos ciúmes do sucesso da sua mulher e raiva que eu, com a ajuda dela, não lhe tenha dado o emprego que ele queria tão desesperadamente. Eu mal o conheço, mas espreitem, [é] uma pedra fria e perdedora e um marido do inferno!"

Kellyanne garantiu ao Politico que Trump a tratou com o maior respeito. "O Presidente está obviamente a defender-me", argumentou. "Ele poderia dizer-me em privado: 'Querida, és uma distração. Nós gostamos muito de ti. Farás sempre parte da família, mas fica com os teus filhos. Eles precisam de ti. Vai fazer um milhão de dólares por hora. Vai fazer isso, querida.' É o contrário", argumentou.

"Ontem [terça], George passou o dia a tweetar sobre o presidente", notou Kellyanne. "Eu passei o meu dia a fazer duas conferências de uma hora com a imprensa e pessoas de assuntos intergovernamentais, agências de todo o país e depois uma hora a informar o presidente e a primeira-dama no Salão Oval sobre opiáceos num ano... É isso que eu faço aqui."

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.