Kavanaugh: "Nunca agredi sexualmente ninguém. Nem no secundário, nem na faculdade, nunca"

O juiz nomeado pelo presidente dos EUA, Donald Trump, para o Supremo Tribunal garante que as acusações de agressão sexual de que está a ser alvo fazem parte de um "golpe político calculado". "Isto é um circo", acusou Kavanaugh que se emocionou durante o testemunho

De forma "categórica e inequivocamente", o juiz Brett Kavanaugh negou as acusações de agressão sexual de que está a ser alvo. "Isto destruiu a minha família e o meu bom nome", afirmou esta quinta-feira na audição do Comité Judicial do Senado norte-americano.

O juiz nomeado pelo presidente dos EUA, Donald Trump, para o Supremo Tribunal está a ser ouvido depois do testemunho de Christine Ford que o acusa de a ter agredido sexualmente em 1982 numa festa do liceu. A psicóloga é uma das três mulheres que acusa Kavanaught de abusos sexuais.

"As consequências [das acusações] vão sentir-se por décadas", considerou. Referiu que as alegações de que terá agredido sexualmente a psicóloga fazem parte de um "golpe político calculado". "Isto é um circo",acusou.

"Sou inocente"

"Nunca agredi sexualmente ninguém. Nem no secundário, nem na faculdade, nunca", garantiu. "A agressão sexual é uma coisa horrível. Uma das minhas melhores amigas é uma pessoa que foi abusada e que pediu o meu conselho", disse.

Embora tenha admitido que Christine Ford possa ter sido agredida sexualmente, Kavanaugh garantiu que não foi ele. "Não é quem eu sou. Juro diante da nação e de Deus que sou inocente dessa acusação", reiterou.

O juiz nomeado pelo presidente dos EUA, Donald Trump, para o Supremo Tribunal emocionou-se quando se referiu à filha, de 10 anos, durante o seu testemunho na audição. Disse não desejar "nenhum mal" à psicóloga e falou que a filha reza por Christine Ford.

Questionado pela senadora Diane Fennstein, o juiz negou também as acusações de abusos sexuais de Deborah Ramirez e Julie Swetnick. "A história de Swetrnick é uma piada, uma farsa", exclamou, referindo-se às alegações da mulher que garante que Kavanaugh participou em violações em grupo nos anos 80, e que drogava as jovens para poder cometer os abusos.

"Gostava de cerveja, ainda gosto de cerveja, mas não bebi cerveja ao ponto de perder a consciência e nunca agredi sexualmente ninguém", assegurou o juiz.

"Não", repetiu depois Brett Kavanaugh após ouvir a procuradora Rachel Mitchell perguntar: "A Dra. Ford descreveu uma situação em que esfregou os seus genitais contra ela. Fê-lo?".

Durante o seu testemunho, admitiu conhecer todas as pessoas que estavam na festa de liceu referida por Christine Ford. Um deles é Mark Judge, que, segundo a psicóloga, presenciou o momento da alegada agressão sexual de Kavanaugh. O juiz refere-se a Judge como um "rapaz engraçado" e que não o vê "há um par de anos".

Não desiste da candidatura ao Supremo Tribunal

Perante o Comité Judicial do Senado norte-americano, Kavanaugh afirmou que o seu processo de confirmação para um lugar vitalício no Supremo Tribunal norte-americano se "tornou numa vergonha nacional".

"Podem derrotar-me na votação final, mas nunca me farão desistir. Nunca", garantiu.

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.