Karl Marx - 200 anos do seu nascimento

As suas ideias influenciaram a segunda metade do século XIX e a maior parte do século XX. Advogou a transformação das sociedades através do papel revolucionário da classe operária. O seu legado permanece em aberto.

Nasce em Treyer

5 de maio de 1818 Karl Heinrich Marx nasce em Treyer, filho de Heinrich Marx, jurista de origem judaica que se converteu ao protestantismo, e de Henriette Pressburg. A família tinha um passado relevante na área dos negócios e alguns dos seus antepassados foram rabinos de nomeada. Marx, que tem um irmão e cinco irmãs, será batizado pelos pais na igreja luterana.

Universitário em Bona

15 de outubro de 1835 Marx inscreve-se na Universidade de Bona para estudar Direito. No ano seguinte transfere-se para a Universidade de Berlim onde estuda História e Filosofia. Entra em contacto com os princípios da filosofia de Hegel.

Doutoramento em Jena

15 de abril de 1841 Apresentação da sua tese de doutoramento na Universidade de Jena, sob o título 'Diferenças na Filosofia da Natureza de Demócrito e de Epicuro'. Não consegue lugar de professor nesta Universidade.

Jornalista em Colónia

15 de outubro de 1842 Torna-se chefe de redação do 'Rheinische Zeitung' ('Gazeta Renana'), sediado em Colónia. Fundado no início do ano, o jornal é de tendência democrática e terá vida breve. É interdito no início de 1843.

Casa com Jenny

19 de junho de 1843 Casamento com Jenny von Westphalen em Bad Kreuznach. Jenny é de família aristocrática da Prússia e amiga de Marx desde a juventude. O casal muda-se para Paris. Terá sete filhos, entre eles Jenny Laura, que casou com Paul Lafargue, e Jenny Caroline, ativista socialista. É na capital francesa que conhece Friedrich Engels (1820-1895) em agosto de 1844. Os dois nunca mais deixarão de manter contacto, iniciando pouco depois a elaboração da obra comum 'A Ideologia Alemã' (1845).

Em Bruxelas

3 de janeiro de 1847 Início da publicação do bissemanário 'Deustche Brüsseler Zeitung', em Bruxelas. Karl e Jenny tinham acabado de chegar à Bélgica.

A Liga dos Comunistas

15 de junho de 1847 Publicação de 'A Miséria da Filosofia' em Bruxelas. Sob influência de Marx e Engels, a Liga dos Justos, formada por socialistas alemães no exílio, adota a designação Liga dos Comunistas. Para o congresso desse ano em Londres, os dois redigem o 'Manifesto do Partido Comunista', publicado na capital britânica em fevereiro de 1848. O texto termina com o lema "Proletários de todos os países, uni-vos!".

Paris

3/4 de março de 1848 A família Marx é expulsa da Bélgica. Em agosto deste ano, após o triunfo do movimento revolucionário de março, visita Colónia e assume a chefia da 'Neue Rheinische Zeitung'. Em 1849, é absolvido num processo em que era acusado de "incitamento à rebelião". Expulsos da Alemanha, os Marx fixam-se em Paris, onde permanecem até agosto de 1849, viajando então para Londres. Na capital britânica inicia a elaboração das suas principais obras: 'Contribuição à Crítica da Economia Política' e 'O Capital' ('Das Kapital').

Publicação

Janeiro de 1859 Publicação de 'Contribuição à Crítica da Economia Política' ('Zur Kritik der Politischen Ökonomie').

Sindicalismo

28 de setembro de 1864 Criação da Associação Internacional de Trabalhadores (AIT) em Londres. Menos de uma década depois, em 1872, no âmbito da polémica entre Marx e o russo Mikhail Bakunine sobre a forma de organização política do proletariado e das suas formas de ação, a AIT sofre uma cisão definitiva entre a corrente comunista e a anarquista, representada por Bakunine.

Alemanha novamente

1861 Viagem à Alemanha durante a qual conhece Ferdinand Lassalle em Berlim.

Das Kapital

Setembro de 1867 Publicação na Alemanha do 1.º tomo de 'Das Kapital' pela editora Meissner, de Hamburgo.

Comuna de Paris

18 de março de 1871 Comuna de Paris. Tentativa de governo revolucionário e antimonárquico.

Morte de Jenny

2 de dezembro de 1881 Jenny morre de cancro em Londres.

Falece em Londres

14 de março de 1883 Morre em Londres. É sepultado no cemitério de Highgate num ato em que discursam Engels e Wilhelm Liebknecht, um dos fundadores do SPD alemão e pai de Karl Liebknecht (1871-1919), co-fundador com Rosa Luxemburgo da Liga Espartaquista e do Partido Comunista da Alemanha.

Revolução bolchevista

25 de outubro de 1917 Bolchevistas assumem controlo de Petrogrado. O Palácio de Inverno é tomado no dia seguinte. Triunfa a primeira revolução comunista.

Vitória de Mao

1 de outubro de 1949 Mao Tsé Tung proclama a República Popular da China (RPC). Triunfo da segunda revolução comunista.

Fim da União Soviética

26 de dezembro de 1991 é dissolvida a União Soviética.

Regimes comunistas

2018 Existem hoje, oficialmente, cinco regimes comunistas: Coreia do Norte, Cuba, Laos, RPC e Vietname.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.