Juiz Alex Kozinski demite-se depois de acusado de assédio sexual

O jornal Washington Post noticiou na semana passada que pelo menos 15 mulheres fizeram alegações contra Kozinski

Um conhecido juiz do circuito dos tribunais de recurso dos EUA anunciou a sua demissão, dias depois de várias mulheres o terem acusado de as sujeitar a comportamentos ou comentários de cariz sexual inapropriados.

O juiz Alex Kozinski, do 9.º Circuito dos Tribunais de Recurso, afirmou, em comunicado, que uma batalha sobre as acusações não seria boa para a magistratura, garantindo que iria demitir-se com efeitos imediatos.

O jornal Washington Post noticiou na semana passada que pelo menos 15 mulheres fizeram alegações contra Kozinski, algumas das quais relativas a situações ocorridas há décadas. As alegações incluem toques e comentários inapropriados.

Kozinski reconheceu, no seu texto, que na "forma franca" como fala com os seus empregados, "pode não ter tido a atenção devida aos desafios e às pressões especiais que as mulheres sofrem no local de trabalho".

No comunicado, acrescentou ainda: "Fico pesaroso por saber que fiz com que algumas das minhas empregadas se sentissem desconfortáveis. Isto nunca foi a minha intenção. Por tal, apresento sinceras desculpas".

Kozinski, de 67 anos, foi o juiz chefe do 9.º Circuito, o maior do país, entre 2007 e 2014. É conhecido pelas suas opiniões irreverentes e os seus empregados acabam com frequência a trabalhar no Supremo Tribunal dos EUA.

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.