Judeus de origem portuguesa foram fundadores da primeira comunidade judaica nos EUA

Em meados dos séculos XVII, 23 judeus de origem portuguesa fundaram em Nova Amesterdão, agora Nova Iorque, a primeira comunidade judaica nos Estados Unidos.

Em meados dos séculos XVII, 23 judeus de origem portuguesa fundaram em Nova Amesterdão, agora Nova Iorque, a primeira comunidade judaica nos Estados Unidos. Na verdade, uma família de portugueses oriundos de Celorico da Beira, que passou por Londres e emigrou para Nova Iorque, esteve na base de algumas das principais instituições americanas, como a Bolsa de Nova Iorque ou a Reserva Federal Americana.

Paulo Mendes Pinto, coordenador da Ciência das Religiões na Universidade Lusófona, conta, em declarações à agência Lusa, parte desta história da comunidade sefardita portuguesa nos Estados Unidos, país onde hoje vivem 1,4 milhões de portugueses. "Nova Iorque é um centro de cultura sefardita de origem portuguesa extremamente importante", explicou Paulo Mendes Pinto, que é também investigador da cátedra de Estudos Sefarditas «Alberto Benveniste» da Universidade de Lisboa, e membro da comissão executiva da Rede de Judiarias de Portugal.

A história, relatou, remete para o período em que parte do nordeste do Brasil foi conquistado por tropas holandesas e, face à tolerância religiosa existente, ali se desenvolve uma comunidade judaica.

Quando se dá a reconquista portuguesa do Recife, no Brasil, a chamada Insurreição Pernambucana (expulsão dos holandeses do Brasil), um grupo de 23 judeus fugiu e fundou a comunidade judaica da Nova Amesterdão, que é hoje a cidade de Nova Iorque. A congregação adquiriu um terreno em Lower Manhattan para construir a primeira sinagoga, existindo ainda hoje, na parte mais meridional da ilha, uma imponente "Spanish and Portuguese Synagogue".

Segundo Paulo Mendes Pinto, em algumas destas sinagogas fundadas na sequência da fuga à perseguição existente em Portugal, ainda hoje se declamam orações em português.

"A portugalidade apresenta-se de forma muito consistente no caso judaico. O ser judeu sefardita de origem portuguesa é uma identidade cultural muito acarinhada por quem a tem", frisou.

Esta comunidade, explicou Paulo Mendes Pinto, tinha relações comerciais com Londres e foi desta cidade que partiu Isac Mendes Seixas, o patriarca de uma das famílias mais importantes nos Estados Unidos durante à época da revolução.

Originário de Celorico da Beira, Isac Mendes Seixas chegou a Nova Iorque no século XVIII e vários membros desta família estiveram empenhados no desenvolvimento da comunidade judaica naquela cidade, em Filadélfia e também na consolidação do novo projeto de um Estado completamente livre.

Segundo o investigador, um descendente de Isac, Moisés Mendes Seixas, esteve na criação da Reserva Federal americana, enquanto o filho, Benjamim Mendes Seixas, foi um dos fundadores da Bolsa e da Universidade de Nova Iorque.

Já Abraão Mendes Seixas foi um dos 14 religiosos que esteve presente quando George Washington tomou posse enquanto Presidente dos Estados Unidos, em abril de 1789.

Um século depois, Emma Lazarus, descendente dos judeus sefarditas portugueses, ficou conhecida por escrever The New Colossus ("O Novo Colosso"), um soneto de 1883, gravado em 1912 numa placa de bronze no pedestal da Estátua da Liberdade.

É uma descendente de portugueses que deixa gravado num dos maiores símbolos dos EUA, palavras que falam de liberdade, de refúgio e de acolhimento.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...