Jovens usam Facebook e WhatsApp para organizar pilhagens no México

Grupos nas redes sociais eram usados para coordenar ações criminosas

As autoridades do México anunciaram hoje que pelo menos oito jovens usaram as redes sociais para coordenarem pilhagens de lojas nos subúrbios da capital mexicana, que levaram a confrontos com a polícia e mais de 100 detenções.

De acordo com o chefe da Segurança Pública do Estado do México, Maribel Cervantes, os investigadores policiais identificaram duas contas do Facebook com mais de 3.500 seguidores que eram usadas para organizar e coordenar os roubos, que ocorreram na quarta e quinta-feira à noite nos distritos de Zumpango, Ecatepec, Tecamac e Tlalnepantla.

"Depois de desativadas as páginas do Facebook, identificámos a criação de grupos do WhatsApp que eram usados para organizar as pessoas", usando diferentes 'hashtags', acrescentou o responsável, citado pela AP.

Oito pessoas entre os 20 e os 30 foram identificadas como administradoras destes grupos de mensagens, concluiu Maribel Cervantes.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.