Jovem Testemunha de Jeová em estado crítico por recusar transfusão

A vontade da jovem prevalece sobre a vontade da família, por decisão do tribunal.

Uma jovem de 20 anos encontra-se em coma induzido há vários dias, na Unidade de Cuidados Intensivos no Hospital San Jorge, em Huesca, Espanha. Antes de ficar em estado crítico, a jovem, testemunha de Jeová, deixou instruções específicas no seu testamento vital de que não aceitaria receber uma transfusão de sangue, o que impede os médicos de intervir.

A jovem foi submetida há poucos dias a uma cirurgia e acabou por sofrer uma peritonite - inflamação da membrana que reveste as paredes do abdómen - o que levou os médicos a decidirem induzir o coma e a considerarem a necessidade de realizar uma transfusão de sangue para a salvar.

No entanto, a doente deixou por escrito a rejeição total de transfusões, por motivos religiosos. O facto de estar inconsciente impede os médicos de a consultarem novamente e obriga-os a respeitar a vontade expressa no testamento vital.

A Radio Huesca avança que a família quer que os médicos façam a transfusão. No entanto, depois de receber o relatório médico, o Tribunal de Huesca optou por respeitar a decisão da jovem, que é maior de idade. O Ministério Público não recorreu.

"Tivemos outros casos semelhantes no ano passado", disse fonte médica ao jornal Heraldo de Aragón , acrescentando que "quando há um testamento envolvido, o juiz determina sempre que a vontade do paciente deve prevalecer."

A posição das Testemunhas de Jeová em relação às transfusões é um dos principais pontos de conflito entre o dever dos médicos de preservar a vida e a liberdade religiosa, e tem sido fonte de controvérsias.

Esta não é a primeira vez em Espanha que um doente deixa instruções específicas sobre a recusa de transfusões de sangue. Em 2008, um doente, também Testemunha de Jeová, morreu no Hospital de Saragoça por não ter recebido uma transfusão, depois de ter deixado explícito que não aceitava este tratamento.

Exclusivos

Premium

Fernanda Câncio

O jornalismo como "insinuação" e "teoria da conspiração"

Insinuam, deixam antever, dizem saber mas, ao cabo e ao resto, não dizem o que sabem. (...) As notícias colam títulos com realidades, nomes com casos, numa quase word salad [salada de palavras], pensamentos desorganizados, pontas soltas, em que muito mais do que dizer se sugere, se dá a entender, no fundo, ao cabo e ao resto, que onde há fumo há fogo, que alguma coisa há, que umas realidades e outras estão todas conexas, que é tudo muito grave, que há muito dinheiro envolvido, que é mais do mesmo, que os políticos são corruptos, que os interesses estão todos conexos numa trama invisível e etc., etc., etc."

Premium

João Taborda da Gama

Aceleras

Uma mudança de casa para uma zona rodeada de radares fez que as multas por excesso de velocidade se fossem acumulando, umas atrás das outras, umas em cima das outras; o carro sempre o mesmo, o condutor, presumivelmente eu, dado à morte das sanções estradais. Diz o código, algures, fiquei a saber, que se pode escolher a carta ou o curso. Ou se entrega a carta, quarenta e cinco dias no meu caso, ou se faz um curso sobre velocidade, dois sábados, das nove às cinco, na Prevenção Rodoviária Portuguesa.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.