Jovem que se suicidou era fechado numa jaula e "espancado pelos colegas"

Inquérito à morte do britânico George Cheese, de 18 anos, revela meses de sofrimento numa oficina da Audi onde trabalhava

Um jovem estagiário numa fábrica britânica da Audi suicidou-se por não aguentar a forma como era tratado pelos colegas, segundo foi esta quinta-feira revelado no inquérito judicial à sua morte.

Perante o juiz de instrução, testemunhas afirmaram que George Cheese, de 18 anos, era vítima de 'bullying' violento por parte dos colegas, que o "espancavam".

Numa ocasião, foi relatado, o jovem contara que os seus colegas o prenderam numa jaula, atiraram-lhe líquido inflamável para cima e incendiaram-lhe as roupas, segundo noticia o The Guardian.

O pai da vítima, Keith Cheese, relatou ainda que o filho tinha ficado "muito feliz" quando conseguiu emprego na oficina da Audi, pois trabalhar em mecânica era um dos seus sonhos.

George tinha-se alistado no exército como engenheiro mecânico em 2014, mas foi obrigado a deixar o serviço militar após ter fraturado ambas as pernas.

A fábrica da Audi era assim uma oportunidade de voltar a fazer o que gostava. No entanto, segundo descreveu Keith Cheese, George começou a voltar para casa com nódoas negras e buracos de queimaduras nas roupas.

Ainda assim, o pai recomendou-lhe que não abandonasse o emprego, algo que, agora reconheceu, ter sido algo "ridículo".

A 9 de abril de 2015, cerca de seis meses depois de ter começado a trabalhar na Audi, o pai viu filho sair de casa com uma mochila. Pensou, segundo disse em juízo, que ele fora passear o cão.

Horas mais tarde, as sirenes da polícia deram nota de que algo de errado se passava. George Cheese tinha-se enforcado num trilho pedonal que liga à rua de sua casa, O corpo foi descoberto por um vizinho.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG