Jornalista do Gulf News condenado a dez anos de prisão por matar a mulher com machado

O editor do jornal britânico tentou simular um assalto

Um jornalista do Gulf News, que em julho confessou ter morto a mulher com golpes de machado, foi condenado a uma pena de prisão de dez anos. Francis Matthew não esteve presente no Tribunal de Primeira Instância do Dubai para ouvir o veredicto, o que não é incomum em tribunais dos Emirados Árabes Unidos. Ainda pode recorrer da decisão.

O antigo editor do jornal britânico, publicado a partir do Dubai, enfrentava uma pena de morte pelo homicídio da mulher, Jane Matthew, de 62 anos. O irmão da vítima esteve presente na audiência para conhecer a sentença, no entanto, de acordo com o jornal The Guardian, não quis comentar a sentença.

A polícia do Dubai foi chamada, no passado dia 4 de julho, à casa que o jornalista partilhava com a mulher, com quem estava casado há mais de 30 anos. Francis Matthew disse às autoridades que a residência tinha sido assaltada e que tinham sido os supostos ladrões a cometerem o homicídio.

No entanto, durante o interrogatório da polícia, acabaria por confessar a autoria do crime: o casal tinha discutido porque Jane descobrira que o marido estava com dívidas e que seriam obrigados a mudar de casa. Segundo o jornalista, a mulher acusou-o de ser um "falhado" e empurrou-o.

Terá sido depois desse empurrão que Matthew decidiu ir buscar um martelo, seguindo Jane até ao quarto e golpeando-a duas vezes na cabeça com o objeto. Na manhã seguinte, tentou fazer parecer que a casa tinha sido assaltada e foi para o trabalho. No caminho, deitou o martelo num caixote do lixo.

Francis Matthew foi editor do Gulf News entre 1995 e 2005 e após essa data continuou a colaborar com o jornal, mas de uma forma menos intensa. Ainda colaborava com o diário britânico na altura do homicídio, apesar de atualmente o jornal o identificar como ex-funcionário.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG