Jeremy Corbyn: "Segundo referendo ao Brexit é opção para o futuro mas não para hoje"

Líder trabalhista defende que prioridade é convencer governo de Theresa May a deixar cair acordo alcançado com a União Europeia, até porque considerou ser certo este não irá passar no parlamento

O líder do partido Trabalhista britânico, Jeremy Corbyn, defendeu em entrevista à Sky News que a realização de um novo referendo sobre o Brexit "é uma opção para o futuro". Mas admitiu também que, no atual quadro político, não existem condições para avançar a curto prazo com uma nova consulta popular.

"Neste momento, a aritmética no parlamento é tal que o Brexit foi desencadeado, o artigo 50, votámos pelo artigo 50 para respeitar o referendo [de junho de 2016]. Quando [o jornal alemão] Der Spiegel me colocou esta questão, a resposta que dei foi que não podemos pará-lo, porque não temos os votos no Parlamento para o fazer", explicou, defendendo que a prioridade é convencer o executivo liderado por Theresa May a rever o acordo alcançado há dias com a União Europeia. Até porque este enfrenta forte oposição no próprio governo, tendo gerado já várias demissões.

"O que quero fazer é dizer ao governo: 'Vocês tiveram todo este tempo para negociar, vocês não vão conseguir passar isto no Parlamento. Não percam mais duas semanas, recuem já", disse o líder trabalhista.

Quanto à realização de um novo referendo, disse: "Penso que é uma opção para o futuro, não é uma opção para hoje, porque se tivermos um segundo referendo amanhã, será sobre o quê? Qual será a pergunta colocada?", questionou.

Desafiado a indicar que questão gostaria de ver nesse eventual referendo, e se esta incluiria voltar a colocar a hipótese de permanência na União Europeia nos boletins de voto, Corbyn contornou a questão, insistindo na prioridade da renegociação com Bruxelas: "Os testes contra o governo têm de ser feitos agora, e é o que estamos a fazer. O governo tem de voltar atrás e renegociar, ver com o que volta, e o parlamento tem de olhar para isso nessa altura. Penso que fazer qualquer outra coisa agora seria ignorar a realidade da situação".

Corbyn revelou ainda ter lido uma parte "substancial" do acordo de 500 páginas entre o Reino Unido e a União Europeia, considerando que "muito do mesmo é na realidade bastante vago".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.