Japão assinala quinto aniversário do terramoto e tsunami

A 11 de março de 2011, sismo de magnitude 9 e o tsunami que se seguiu devastaram o nordeste do Japão e desencadearam crise nuclear de Fukushima

O Japão assinala hoje o quinto aniversário do terramoto e tsunami ocorridos no nordeste do país, que fizeram mais de 18 mil mortos e desencadearam a crise nuclear de Fukushima, a pior desde Chernobil, na Ucrânia.

A 11 de março de 2011, um sismo de magnitude 9 na escala de Ritcher e o tsunami que se seguiu devastaram o nordeste do Japão, e provocaram graves danos na central de Fukushima Daiichi, estragos que ainda mantêm longe das suas casas milhares de pessoas.

Ao longo do dia realizar-se-ão homenagens às vítimas em todo o país, as quais têm como ponto central o minuto de silêncio que vai ser cumprido às 14:46 (05:46 em Lisboa), a hora a que teve lugar a catástrofe que obrigou à retirada de cerca de meio milhão de pessoas.

Em muitas localidades, ativar-se-á inclusive o alarme de tsunami - à mesma hora - para recordar o momento do sismo com epicentro frente à província de Miyagi, o qual originou ondas descomunais que varreram esta zona do arquipélago japonês e alcançaram os 20 metros de altura em alguns pontos.

As cidades e as localidades mais afetadas celebram diferentes atos, enquanto em Tóquio está prevista uma cerimónia solene em que o imperador Akihito e a imperatriz Michiko prestarão tributo aos que morreram na maior tragédia ocorrida no Japão desde a II Guerra Mundial.

Após o minuto de silêncio, o primeiro-ministro, Shinzo Abe, irá proferir um discurso, seguido do imperador, estando também previstas intervenções de outras autoridades estatais e de familiares das vítimas procedentes das três províncias mais atingidas: Fukushima, Miyagi e Iwate.

Depois do acidente nuclear, 200 mil pessoas foram retiradas de localidades próximas da central, das quais 74.200 continuam sem regressar às suas casas num raio de entre 10 e 20 quilómetros em torno da central.

Além disso, até hoje, 57.677 pessoas das províncias de Iwate, Miyagi e Fukushima residem em abrigos temporários pré-fabricados.

O número oficial de mortos causados pelo desastre natural ascende a 15.894, número que se soma a 2.561 pessoas dadas como desaparecidas e cujos corpos nunca foram encontrados.

Também continua a aumentar o número de suicídios entre os sobreviventes, bem como as mortes relacionadas com o 'stress' pós-traumático e com as condições de vida dos deslocados.

Este número tocou os 3.410 mortos cinco anos depois do desastre, segundo os mais recentes dados compilados pela agência Kyodo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG