Irmã de Kennedy que ajudou à paz na Irlanda do Norte morre aos 92 anos

Jean Kennedy Smith foi embaixadora na Irlanda, nomeada pelo presidente Bill Clinton, na década de 1990.

A irmã mais nova do ex-presidente John F. Kennedy, que na década de 1990 foi a primeira mulher da sua geração da família a ter um cargo político quando foi nomeada embaixadora na Irlanda, morreu esta quarta-feira aos 92 anos, em Nova Iorque. À frente da embaixada de Dublin ajudou a desenhar a paz com a Irlanda do Norte.

Jean era a última dos nove irmãos, filhos de Joseph Patrick Kennedy (que foi embaixador no Reino Unido) e Rose Kennedy, que ainda estava viva. A sua morte foi confirmada pela filha Kym ao The New York Times. Entre os irmãos estava John F. Kennedy, o presidente que foi assassinado em 1962, assim como o senador Robert F. Kennedy, morto em 1968.

Em 2016, publicou as suas memórias: "The Nine of Us" (nós os nove, numa tradução livre em português), escrevendo que a sua infância foi "nada excecional". Conhecida durante a maior parte da vida como "a irmã calma" que não gostava dos holofotes, Jean casou com um conselheiro financeiro da família e futuro chefe de gabinete da Casa Branca, Stephen Edward Smith, em 1956. Tiveram quatro filhos.

Apesar de nunca ter concorrido a nenhum cargo público, participou nas campanhas dos irmãos, e só teve um papel ativo na política já em 1993, quando foi nomeada embaixadora pelo presidente Bill Clinton. Este disse que ela era "tão irlandesa como um americano pode ser". O bisavô era da Irlanda e ela tinha acompanhado o irmão na visita de Estado que ele fez ao país.

Jean tinha então 65 anos. Como embaixadora, segundo a agência de notícias AP, desempenhou um papel crucial no processo de paz da Irlanda do Norte, tendo convencido Clinton a dar um visto a Gerry Adams, o líder do Sinn Féin (ligado ao IRA), em 1994. Adams era considerado pelos britânicos como um terrorista. Seis meses depois, foi assinado o cessar-fogo e em abril de 1998 os Acordos de Sexta-Feira Santa que puseram fim ao conflito.

Em dezembro de 1998, gerou controvérsia quando comungou numa catedral protestante de Dublin, indo contra o que os bispos católicos (e ela era católica) diziam.

Quando deixou o cargo de embaixadora, recebeu a nacionalidade irlandesa por "serviços distintos à nação".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG