Sauditas acusados de 'piratearem' telefone de dono da Amazon

O Governo saudita 'pirateou' o telefone do dono da Amazon e um dos homens mais ricos do mundo, o norte-americano Jeff Bezos, e obteve informação privada, de acordo com um responsável de segurança.

"Os nossos investigadores e vários especialistas concluíram com grande certeza que os sauditas tinham acesso ao telefone de Bezos e obtiveram informação privada", escreveu o chefe de segurança Gavin De Becker (dono de uma empresa privada), num artigo publicado na página da Internet do The Daily Beast.

De Becker explicou que concluiu a investigação encomendada por Bezos sobre a publicação, em janeiro passado, pelo National Enquirer, de mensagens de texto privadas entre o empresário e a ex-apresentadora de televisão Lauren Sánchez.

O responsável faz uma ligação dos 'hackers' (piratas) à Arábia Saudita devido à enorme cobertura que o Washington Post, propriedade de Jeff Bezos, tem feito sobre o assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi, que trabalhava nos Estados Unidos e morreu no consulado do seu país em Istambul, no ano passado.

O tabloide semanal publicou no final de janeiro a troca de mensagens românticas entre Jeff Bezos e Lauren Sánchez, com quem o dono da Amazon teve uma relação extraconjugal.

Entretanto, em fevereiro passado, Bezos acusou a empresa detentora do tabloide de o chantagear com a publicação de textos e fotos íntimas para que o dono da Amazon parasse a investigação de De Becker sobre como é que a informação tinha sido obtida pelo National Enquirer.

Na altura o dono da Amazon explicou que David Pecker, presidente da American Media Inc, que detém o tablóide, contactou-o através de intermediários mútuos referindo que seriam publicadas fotos e mensagens privadas se a investigação não terminasse.

"Claro que não quero que sejam publicadas fotos pessoais, mas também não quero participar nas suas conhecidas práticas de extorsão, favores políticos, ataques políticos e corrupção", disse Jeff Bezos sobre a American Media Inc.

Segundo o Wall Street Journal, o irmão da ex-apresentadora, Michael Sanchez, terá vendido as mensagens ao tabloide, mas para De Becker o negócio ultrapassa a capacidade daquele interveniente.

"É claro que MBS [príncipe herdeiro da Arábia Saudita] toma o Washington Post como seu inimigo maior", escreveu De Becker, embora o senado norte-americano tenha apontado Mohammed bin Salman (MBS) como "responsável" da morte de Khashoggi.

A empresa Gavin De Becker and Associates, criada em 1979 em Los Angeles, é considerada uma das melhores na área de proteção de figuras públicas, dirigentes de empresas ou personalidades políticas nos Estados Unidos.

O responsável disse que entregou a sua investigação a funcionários federais dos Estados Unidos.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...