"Pesadelo da papoila." Invasão de instagramers obriga a fechar Lake Elsinore

A região de Lake Elsinore tem sido visitada por milhares de turistas, graças aos milhares de papoilas que cobrem aquela zona montanhosa, o que fez os moradores apelidarem o fenómeno de "pesadelo da papoila".

Corridas, pisadelas, ataques de cascavéis e moradores chateados. Estas são algumas das coisas que resumem o passado fim de semana na região de Lake Elsinore, no sul da Califórnia. Neste ano, devido a um fenómeno apelidado pela população de #superbloom, os campos localizados em Walker Canyon estão com mais flores do que o habitual, o que tem aumentado as visitas ao local para tirar fotografias, acabando por gerar o caos no passado fim de semana e obrigando a cidade a fechar o acesso aos campos.

"A situação ultrapassou os recursos disponíveis. Nenhum autocarro nem nenhum visitante poderá entrar no Walker Canyon. Este fim de semana tem sido insuportável para a cidade de Lake Elsinore", escreveu a câmara no Instagram, justificando o fecho dos campos, no domingo.

No sábado passado, a circulação na cidade esteve lenta devido à peregrinação para ver as papoilas, tendo existido um engarrafamento de uma hora na Estrada Interestadual 15 e nas estradas de acesso. O presidente da câmara, Steve Manos, partilhou no passado domingo vários vídeos nas redes sociais a mostrar os carros parados nos engarrafamentos e estacionados ilegalmente perto dos campos. Mano apelidou a visita massiva de turistas de "poppy-palooza" - festa da papoila.

As últimas semanas não têm sido fáceis para os moradores de Lake Elsinore e para a reserva natural. Desde o super bloom, apelidado pelos moradores de "pesadelo da papoila", que a cidade tem recebido milhares de turistas que vêm visitar o local e ignoram os avisos presentes no campo para apenas circularem pelo trilho principal e andam pelo meio das papoilas, criando os seus próprios caminhos. Milhares de pessoas não perdem a oportunidade de tirar uma fotografia deitadas ou em cima das papoilas e partilhar nas redes sociais.

Depois da decisão da cidade de fechar os campos, vários comentários negativos foram feitos nessas mesmas fotografias. "Obrigado por teres arruinado as flores e seres a razão de o espaço estar fechado" e "não sejas uma pessoa laranja" são alguns dos comentários que se pode ler. De acordo com a Reuters, a hastag #superbloom foi usada mais de cem mil vezes na segunda-feira.

Outro dos obstáculos para a cidade têm sido as cascavéis, que estão a despertar da fase de hibernação e estão mais ativas, já tendo mordido um dos visitantes e ferido outro, segundo o The Guardian.

O espaço em Walker Canyon foi reaberto na passada segunda-feira, por volta das 18.00 na Califórnia (11.00 em Lisboa) visto "não ser viável manter os visitantes longe", devido aos gastos necessários para proteger todo o território montanhoso e extenso. No entanto, os lugares de estacionamento disponíveis são condicionados e os shuttles foram retirados.

A câmara da cidade apela à paciência da população, dizendo entender "o quão difícil tem sido o fenómeno natural para os moradores" mas que os milhares de visitas turistas mostram a "beleza extrema que temos aqui na nossa cidade, um dos muitos motivos que fizeram os moradores escolher o Lake Elsinore como sua casa".

A câmara afirma continuar a avaliar opções para melhorar o dia-a-dia da comunidade e compromete-se a dar novidades o mais rapidamente possível.

No último vídeo da página de Facebook da cidade podem ser vistas centenas de visitantes, depois da reabertura. "Estamos cheios", diz Steve Manos, que apela aos turistas para visitar o local noutro dia com o objetivo de preservar a natureza do espaço.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.