Yulia Skripal faz primeira declaração após envenenamento

Comunicado surge horas depois da televisão pública russa divulgar uma alegada conversa telefónica com uma prima que vive na Rússia

A polícia britânica emitiu, esta quinta-feira, uma declaração em nome de Yulia Skripal, a filha do espião russo envenenado no início de março, em Salisbury, no Reino Unido. A jovem, de 33 anos, também foi vítima do ataque com um agente nervoso que o Governo britânico afirma ter sido encomendado por Vladimir Putin. Yulia Skripal disse estar a ficar cada vez mais forte e pediu privacidade durante o período de convalescência.

A declaração surge horas depois da televisão pública russa difundir um registo áudio apresentado como uma conversa telefónica entre Yulia Skripal e a sua prima Viktoria, à qual alegadamente diz que "a saúde de todos está normal, não existe nada de irreversível. Tudo vai correr bem".

No comunicado emitido pelas autoridades do Reino Unido, a jovem diz que se sente a cada dia melhor.

"Acordei há uma semana e sinto-me feliz por poder dizer que as minhas forças crescem diariamente", lê-se na declaração.

"Tenho muitas pessoas a quem agradecer pela minha recuperação e gostaria de mencionar especialmente as pessoas de Salisbury que vieram em meu auxílio quando eu e o meu pai estávamos incapacitados", disse a jovem no comunicado, referindo-se a quem encontrou pai e filha num banco de jardim, inanimados.

Yulia Skripal agradeceu ainda à "equipa do Hospital Distrital de Salisbury pelo cuidado e profissionalismo". E fez um pedido: "Tenho a certeza que entendem que todo este episódio é, de alguma forma, desorientador, e espero que todos respeitem a minha privacidade a da minha família durante o período de convalescença".

Pai e filha encontram-se ainda no hospital, embora estejam a recuperar, segundo a BBC.

O registo da suposta conversa telefónica entre Yulia Skripal e a sua prima Viktoria foi obtido, segundo os apresentadores do programa, através desta última, embora tenham reconhecido que não podiam comprovar a autenticidade da gravação.

Nesta breve conversa em russo difundida na edição do programa "60 minutos" na cadeia televisiva Rossiya 1, quem é apresentada como Yuila Skripal exprime-se de forma muito desenvolta, afirmando que ela e o seu pai estão em fase de recuperação e que poderá deixar o hospital em breve.

"Está tudo bem, tudo pode ser resolvido, estamos todos vivos e em restabelecimento", declara a voz apresentada como Yuila, acrescentando que o seu pai "está a preparar-se para descansar, para dormir".

"A saúde de todos está normal, não existe nada de irreversível. Tudo vai correr bem", prossegue.

O hospital onde os Skripal estão internados indicou que o estado de Yulia "melhora rapidamente" e que "já não se encontra em estado crítico", ao contrário de seu pai, que permanece em estado "estável".

O envenenamento do ex-espião duplo russo Serguei Skripal e de sua filha a 4 de março, em solo britânico, provocou uma das piores crises nas relações entre a Rússia e o ocidente desde a Guerra fria e conduziu a uma vaga histórica de expulsões recíprocas de diplomatas.

Londres acusa Moscovo de envolvimento neste envenenamento através da utilização de um agente neurotóxico, enquanto a Rússia desmente as acusações e denuncia uma "provocação" e uma "campanha anti-russa".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

Orçamento melhoral: não faz bem, mas também não faz mal

A menos de um ano das eleições, a principal prioridade política do Governo na elaboração do Orçamento do Estado do próximo ano parece ter sido não cometer erros. Esperar pelos da oposição. E, sobretudo, não irritar ninguém. As boas notícias foram quase todas libertadas nas semanas que antecederam a apresentação do documento. As más - que também as há - ou dizem pouco à esmagadora maioria da população, ou são direcionadas a nichos da sociedade que não decidem eleições.

Premium

Ricardo Paes Mamede

Tudo o que a troika não fez por nós

A crítica ao "programa de ajustamento" acordado com a troika em 2011 e implementado com convicção pelo governo português até 2014 já há muito deixou de ser monopólio das mentes mais heterodoxas. Em diferentes ocasiões, as próprias instituições em causa - FMI, Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia - assumiram de forma mais ou menos explícita alguns dos erros cometidos e as consequências que deles resultaram para a economia e a sociedade portuguesas. O relatório agora publicado pela Organização Internacional do Trabalho ("Trabalho Digno em Portugal 2008-2018: da Crise à Recuperação") veio questionar os mitos que ainda restam sobre a bondade do que se fez neste país num dos períodos mais negros da sua história democrática.

Premium

João Gobern

Simone e outros ciclones

O mais fácil é fazer coincidir com o avanço da idade o crescimento da necessidade - também um enorme prazer, em caso de dúvida - de conversar e, mais especificamente, do desejo de ouvir quem merece. De outra forma, tornar-se-ia estranho e incoerente estar às portas de uma década consecutiva em programas de rádio (dois, sempre com parceiros que acrescentam) que se interessam por escutar histórias e fazer eco de ideias e que fazem "gala" de dar espaço e tempo a quem se desafia para vir falar. Não valorizo demasiado a idade, porque mantenho intacta a certeza de que se aprende muito com os mais novos, e não apenas com aqueles que cronologicamente nos antecederam. Há, no entanto, uma diferença substancial, quando se escuta - e tenta estimular-se aqueles que, por vias distintas, passaram pelo "olho do furacão". Viveram mais (com o devido respeito, "vivenciaram" fica para os que têm pressa de estar na moda...), experimentaram mais, enfrentaram batalhas e circunstâncias que, de alguma forma, nos podem ser úteis muito além da teoria. Acredito piamente que há pessoas, sem distinção de sexo, raça, religião ou aptidões socioprofissionais, que nos valem como memória viva, num momento em que esta parece cada vez mais ausente do nosso quotidiano, demasiado temperado pelo imediato, pelo efémero, pelo trivial.

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.