Vídeo sobre o Ramadão que condena o terrorismo torna-se fenómeno

É mostrado um bombista suicida confrontado com mensagens de paz, amor, compaixão e verdade

"Vou contar tudo a Deus. Que encheste os cemitérios com crianças e esvaziaste as secretárias da escola". É com a voz de uma criança, que se ouve enquanto um homem fabrica um cinto de explosivos, que começa um vídeo que está a emocionar e a tornar-se viral na Internet.

Já com mais de três milhões de visualizações no Youtube, o vídeo de uma operadora de telecomunicações do Kuwait, a Zain, publicado no contexto do Ramadão, condena o terrorismo e faz referências a vários ataques.

O vídeo apela ao amor e à paz, ao invés do terror e o homem que veste o papel de bombista suicida acaba por ser "intercetado" por pessoas com mensagens positivas.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).