Vídeo mostra grau de destruição do Museu Nacional brasileiro

No incêndio de domingo à noite, Brasil regista a maior perda histórica e científica, mas ainda há esperança de que algumas peças se tenham salvado em armários de aço.

Circula nas redes sociais um vídeo de autoria desconhecida que demonstra o nível de destruição do incêndio no Museu Nacional, no Rio de Janeiro.

A gravação é iniciada na entrada do museu, onde repousa o meteorito de Bendegó - que devido à sua composição, ferro e níquel, não foi consumido pelo fogo - e estende-se à sala adjacente.

No entanto, a extensão dos danos ainda não é conhecida. Por exemplo, a área do fóssil mais antigo das Américas, o crânio de Luzia, e o maior dinossauro encontrado no Brasil, estavam debaixo de escombros.

Se é certo que a grande parte das peças estarão irremediavelmente perdidas, os investigadores, técnicos e funcionários depositam esperanças de que algumas peças relevantes tenham sobrevivido.

Segundo a Folha de São Paulo, foram adquiridos há pouco tempo armários de aço, o que poderá ter salvo algum material.

Causa do fogo em investigação

A causa do incêndio começou entretanto a ser investigada pela Polícia Federal. Um curto-circuito ou a queda de um balão no teto do edifício (como foi aventado pelo ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão), são as hipóteses em consideração.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".