Vídeo mostra grau de destruição do Museu Nacional brasileiro

No incêndio de domingo à noite, Brasil regista a maior perda histórica e científica, mas ainda há esperança de que algumas peças se tenham salvado em armários de aço.

Circula nas redes sociais um vídeo de autoria desconhecida que demonstra o nível de destruição do incêndio no Museu Nacional, no Rio de Janeiro.

A gravação é iniciada na entrada do museu, onde repousa o meteorito de Bendegó - que devido à sua composição, ferro e níquel, não foi consumido pelo fogo - e estende-se à sala adjacente.

No entanto, a extensão dos danos ainda não é conhecida. Por exemplo, a área do fóssil mais antigo das Américas, o crânio de Luzia, e o maior dinossauro encontrado no Brasil, estavam debaixo de escombros.

Se é certo que a grande parte das peças estarão irremediavelmente perdidas, os investigadores, técnicos e funcionários depositam esperanças de que algumas peças relevantes tenham sobrevivido.

Segundo a Folha de São Paulo, foram adquiridos há pouco tempo armários de aço, o que poderá ter salvo algum material.

Causa do fogo em investigação

A causa do incêndio começou entretanto a ser investigada pela Polícia Federal. Um curto-circuito ou a queda de um balão no teto do edifício (como foi aventado pelo ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão), são as hipóteses em consideração.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.