Vídeo mostra grau de destruição do Museu Nacional brasileiro

No incêndio de domingo à noite, Brasil regista a maior perda histórica e científica, mas ainda há esperança de que algumas peças se tenham salvado em armários de aço.

Circula nas redes sociais um vídeo de autoria desconhecida que demonstra o nível de destruição do incêndio no Museu Nacional, no Rio de Janeiro.

A gravação é iniciada na entrada do museu, onde repousa o meteorito de Bendegó - que devido à sua composição, ferro e níquel, não foi consumido pelo fogo - e estende-se à sala adjacente.

No entanto, a extensão dos danos ainda não é conhecida. Por exemplo, a área do fóssil mais antigo das Américas, o crânio de Luzia, e o maior dinossauro encontrado no Brasil, estavam debaixo de escombros.

Se é certo que a grande parte das peças estarão irremediavelmente perdidas, os investigadores, técnicos e funcionários depositam esperanças de que algumas peças relevantes tenham sobrevivido.

Segundo a Folha de São Paulo, foram adquiridos há pouco tempo armários de aço, o que poderá ter salvo algum material.

Causa do fogo em investigação

A causa do incêndio começou entretanto a ser investigada pela Polícia Federal. Um curto-circuito ou a queda de um balão no teto do edifício (como foi aventado pelo ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão), são as hipóteses em consideração.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.