Vice de Bolsonaro critica índios, negros e ibéricos

No primeiro compromisso de agenda do general Hamilton Mourão, a primeira controvérsia. "Ele é culto, patriota e responsável", reagiu o candidato ao Planalto

"Temos uma herança do privilégio, que é uma herança ibérica, temos uma certa herança da indolência, que vem da cultura indígena, e eu sou indígena porque o meu pai é amazonense, e a malandragem que é oriunda do africano, nada contra mas é, então esse é o nosso cadinho [vaso] cultural". A frase, dita por Hamilton Mourão (PSTC), general na reserva que é candidato a vice-presidente de Jair Bolsonaro (PSL), está a gerar reações acaloradas no Brasil. E foi apenas o primeiro evento na agenda de Mourão, num almoço com industriais em Caxias do Sul, como candidato a vice.

Já em setembro do ano passado, o general fora o foco das atenções ao falar em intervenção militar caso as instituições do país não resolvessem a crise política. "Para retirar da vida pública esses elementos envolvidos nos ilícitos", afirmou. O Brasil viveu uma ditadura militar de 1964 a 1985.

Confrontado com as declarações do seu candidato a "vice", Bolsonaro preferiu não comentar. "Ele que explique para vocês, eu não tenho nada a ver com isso". Entretanto, em almoço com industriais, no Rio de Janeiro, o candidato ao Planalto definiu Mourão "como culto, patriota, responsável e com virtude" e explicou a escolha do seu nome para o cargo de número dois: "Precisava de um vice que metesse o pé na porta!". Acrescentou ainda que o seu governo terá "um montão de militares".

Ler mais

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.