Vice de Bolsonaro critica índios, negros e ibéricos

No primeiro compromisso de agenda do general Hamilton Mourão, a primeira controvérsia. "Ele é culto, patriota e responsável", reagiu o candidato ao Planalto

"Temos uma herança do privilégio, que é uma herança ibérica, temos uma certa herança da indolência, que vem da cultura indígena, e eu sou indígena porque o meu pai é amazonense, e a malandragem que é oriunda do africano, nada contra mas é, então esse é o nosso cadinho [vaso] cultural". A frase, dita por Hamilton Mourão (PSTC), general na reserva que é candidato a vice-presidente de Jair Bolsonaro (PSL), está a gerar reações acaloradas no Brasil. E foi apenas o primeiro evento na agenda de Mourão, num almoço com industriais em Caxias do Sul, como candidato a vice.

Já em setembro do ano passado, o general fora o foco das atenções ao falar em intervenção militar caso as instituições do país não resolvessem a crise política. "Para retirar da vida pública esses elementos envolvidos nos ilícitos", afirmou. O Brasil viveu uma ditadura militar de 1964 a 1985.

Confrontado com as declarações do seu candidato a "vice", Bolsonaro preferiu não comentar. "Ele que explique para vocês, eu não tenho nada a ver com isso". Entretanto, em almoço com industriais, no Rio de Janeiro, o candidato ao Planalto definiu Mourão "como culto, patriota, responsável e com virtude" e explicou a escolha do seu nome para o cargo de número dois: "Precisava de um vice que metesse o pé na porta!". Acrescentou ainda que o seu governo terá "um montão de militares".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.