Venezuela prepara mobilização nacional contra Maduro

Parlamento pede que no dia 23 todos os cantos do país se mobilizem contra o presidente

A Assembleia Nacional da Venezuela, dominada pela oposição, convocou esta sexta-feira uma mobilização nacional de não reconhecimento do novo mandato de seis anos que o Presidente, Nicolás Maduro, iniciou na quinta-feira.

"Convocamos o povo. No (dia) 23 de janeiro vamos a uma grande mobilização em todos os cantos da Venezuela", disse o presidente do parlamento, Juan Guaidó.

A convocatória teve lugar durante uma sessão convocada pelo parlamento e que decorreu em Caracas, junto da sede venezuelana do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

"Sabemos que não é uma fórmula mágica, mas temos de alcançar esta causa", disse, para acrescentar: "Assumo o dever, imposto pela Constituição. O artigo 333.º obriga todos os venezuelanos, investidos ou não de autoridade, a lutar pela restituição da ordem constitucional".

Juan Guaidó destacou ainda o apoio da comunidade internacional ao parlamento venezuelano.

"Para transformar a mudança em realidade, necessitamos que se somem as forças nacional e internacional. O mundo respeita e reconhece a Assembleia Nacional e não Maduro", frisou.

Nicolás Maduro tomou posse na quinta-feira perante o Supremo Tribunal de Justiça, como Presidente da Venezuela para o período 2019-2025.

Segundo o Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela, Maduro foi reeleito para um novo mandato presidencial nas eleições antecipadas de 20 de maio de 2018, com 6 248.864 votos (67,84%).

Um dia depois das eleições, a oposição venezuelana questionou os resultados, alegando irregularidades e o não respeito pelos tratados de direitos humanos ou pela Constituição da Venezuela.

Vários países manifestaram a intenção de não reconhecer o novo mandato de Nicolás Maduro.

Na quinta-feira, depois da tomada de posse, o parlamento venezuelano declarou-se em emergência para restituir o "fio constitucional", denunciando que há uma "usurpação da Presidência" do país.

"Hoje [quinta-feira] deu-se a usurpação da Presidência da República e [Nicolás] Maduro desconhece o único poder real e legítimo do país, e avança para a desmontagem total do Estado de direito que protege os cidadãos e garante os direitos humanos", disse o presidente do parlamento aos jornalistas.

Segundo Juan Guaidó, "pela primeira vez, desde 1968", a Venezuela "vive em ditadura".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.