Maduro escapa a ataque com drones. Estrondos obrigaram a interromper cerimónia oficial

Ministro diz que se tratou de um atentado e responsabilizou a direita venezuelana

Dois estrondos interromperam este sábado um discurso do Presidente da Venezuela e levaram Nicolás Maduro a abandonar rapidamente a cerimónia de celebração do 81.º aniversário da Guarda Nacional Bolivariana (polícia militar).

Segundo o ministro da Informação, citado no El País, foram "ouvidas detonações que as averiguações já estabelecem com claridade que correspondiam a artefactos voadores, 'drones' (aviões não tripulados), que continham uma carga explosiva que detonou nas proximidades da tribuna presidencial", ferindo sete soldados. "Trata-se de um atentado contra a figura do Presidente Nicolás Maduro Moros", disse à televisão estatal, a partir do palácio presidencial de Miraflores.

Rodríguez anunciou que em breve o próprio Nicolás Maduro se dirigirá ao país e responsabilizou a direita venezuelana pelo atentado.

A cerimónia, que decorria na Avenida Bolívar de Caracas (centro), estava a ser transmitida em simultâneo e de maneira obrigatória pelas rádios e televisões venezuelanas e no momento em que Nicolás Maduro anuncia que tinha chegado a hora da recuperação económica ouviu-se uma das explosões, que fez inclusive vibrar a câmara que focava o chefe de Estado.

Nesse instante, a mulher do Presidente venezuelano, Cília Flores, e o próprio chefe de Estado olharam para cima, enquanto alguém se aproximada rapidamente, por detrás do ministro da Defesa, Vladimir Padrino.

Foi possível ainda ver, durante a transmissão televisiva, o momento em que militares rompiam a formação para retirar as individualidades oficiais presentes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.