Uma catástrofe humanitária: testemunho de um médico

Um médico do interior da Venezuela, da cidade de Valência, fala numa crise humanitária sem precedentes e apela à ajuda internacional. Todos os dias vê morrer pacientes que, com outros meios, podiam ser salvos.

É o testemunho angustiado de um médico que trabalha na cidade de Valência, a capital do estado de Carabobo, que fica a cerca de 200 quilómetros de Caracas. Todos os dias, este médico que pede o anonimato tem nas mãos doentes que morrem por falta de medicamentos ou de material médico. Pacientes que noutras circunstâncias sobreviveriam. Morrem, nalguns casos, de coisas simples.

O médico de 35 anos trabalhou até fevereiro último em dois hospitais públicos. Renunciou a um, pois o que ganhava não compensava a deslocação e muito menos a alimentação. "Apetece fugir daqui. Sair para longe. O que ganha um profissional, por mais competente e especializado que seja, não dá para manter a família, mas o mais duro não é isso", começa por dizer. "O mais duro é ver morrer gente sem se poder fazer nada. Há gente preparada, mas sem as ferramentas é impossível dar o apoio de que o paciente necessita."

O clínico, quando questionado sobre quantos casos já foi obrigado a enfrentar nessa situação, diz que "são diários", não só no hospital onde trabalha mas "em toda a Venezuela isso acontece. É uma verdadeira catástrofe". O médico diz que os problemas são uma constante. "Desde o ano 2000 que as coisas se complicaram, mas a situação tem-se deteriorado de uma forma exponencial nos últimos tempos. É uma crise humanitária sem precedentes no país. No hospital, em cada turno vemos morrer pacientes sem possibilidade de fazer nada por eles."

Outro dos alertas que deixa é que têm surgido casos muito preocupantes de doenças que noutras circunstâncias estariam controladas. O médico dá exemplos de enfermidades como difteria, tuberculose, sarampo e até de casos de vírus da gripe H1N1. Mas não há dados oficiais nem qualquer tipo de controlo. Muito menos prevenção. O que fica claro é que as carências na área da saúde são de tal ordem (não só em Valência, mas em todo o país) que só uma ajuda do exterior pode evitar ainda mais mortes, especialmente de crianças.

Além da falta de segurança, outra das principais razões para a saída em massa do país (já há quem fale em quatro milhões de pessoas que deixaram a Venezuela nos últimos tempos) é precisamente o acesso aos cuidados de saúde. Sucedem-se os relatos de casos graves, envolvendo conhecidos, que procuram outras paragens porque ficar significa executar uma sentença de morte.

Este texto foi originalmente publicado no Diário de Notícias da Madeira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.