Uma catástrofe humanitária: testemunho de um médico

Um médico do interior da Venezuela, da cidade de Valência, fala numa crise humanitária sem precedentes e apela à ajuda internacional. Todos os dias vê morrer pacientes que, com outros meios, podiam ser salvos.

É o testemunho angustiado de um médico que trabalha na cidade de Valência, a capital do estado de Carabobo, que fica a cerca de 200 quilómetros de Caracas. Todos os dias, este médico que pede o anonimato tem nas mãos doentes que morrem por falta de medicamentos ou de material médico. Pacientes que noutras circunstâncias sobreviveriam. Morrem, nalguns casos, de coisas simples.

O médico de 35 anos trabalhou até fevereiro último em dois hospitais públicos. Renunciou a um, pois o que ganhava não compensava a deslocação e muito menos a alimentação. "Apetece fugir daqui. Sair para longe. O que ganha um profissional, por mais competente e especializado que seja, não dá para manter a família, mas o mais duro não é isso", começa por dizer. "O mais duro é ver morrer gente sem se poder fazer nada. Há gente preparada, mas sem as ferramentas é impossível dar o apoio de que o paciente necessita."

O clínico, quando questionado sobre quantos casos já foi obrigado a enfrentar nessa situação, diz que "são diários", não só no hospital onde trabalha mas "em toda a Venezuela isso acontece. É uma verdadeira catástrofe". O médico diz que os problemas são uma constante. "Desde o ano 2000 que as coisas se complicaram, mas a situação tem-se deteriorado de uma forma exponencial nos últimos tempos. É uma crise humanitária sem precedentes no país. No hospital, em cada turno vemos morrer pacientes sem possibilidade de fazer nada por eles."

Outro dos alertas que deixa é que têm surgido casos muito preocupantes de doenças que noutras circunstâncias estariam controladas. O médico dá exemplos de enfermidades como difteria, tuberculose, sarampo e até de casos de vírus da gripe H1N1. Mas não há dados oficiais nem qualquer tipo de controlo. Muito menos prevenção. O que fica claro é que as carências na área da saúde são de tal ordem (não só em Valência, mas em todo o país) que só uma ajuda do exterior pode evitar ainda mais mortes, especialmente de crianças.

Além da falta de segurança, outra das principais razões para a saída em massa do país (já há quem fale em quatro milhões de pessoas que deixaram a Venezuela nos últimos tempos) é precisamente o acesso aos cuidados de saúde. Sucedem-se os relatos de casos graves, envolvendo conhecidos, que procuram outras paragens porque ficar significa executar uma sentença de morte.

Este texto foi originalmente publicado no Diário de Notícias da Madeira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.