Um quinto da população chinesa com mais de 60 anos em 2017

Em 2050, os sexagenários deverão ser 34,9% da população total da nação mais populosa do mundo

A China tinha 241 milhões de habitantes com idade superior a 60 anos, no final de 2017, resultado da política do filho único, que durante décadas vigorou no país, anunciou hoje o Ministério dos Assuntos Civis chinês.

O número de habitantes com 60 anos, ou mais, fixou-se em 17,3% do total da população da China, indicou.

Pelas contas do Governo chinês, em 2050, os sexagenários serão de 487 milhões, ou 34,9% da população do país.

Nação mais populosa do mundo, com cerca de 1.400 milhões de habitantes, a China aboliu no início de 2016 a política de "um casal, um filho", rígido controlo da natalidade que durava desde 1980 e impediu quase 400 milhões de nascimentos.

Demógrafos chineses estimaram que, sem aquela política, a China teria atualmente quase 1.800 milhões de habitantes.

O fim da política do filho único não serviu, no entanto, para evitar a "armadilha da baixa fertilidade", em parte devido aos crescentes custos para criar um filho na sociedade chinesa, transfigurada pela adesão do país à economia do mercado, no final dos anos 1970.

Em 2017, o número de nascimentos fixou-se em 17,23 milhões, menos 630.000 do que em 2016. Na primeira metade de 2018, o número de nascimentos caiu 15%, em termos homólogos, segundo estatísticas oficiais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.