Trump quer proibir livro "de fantasia" sobre a sua presidência

Porta-voz da Casa Branca afirma que livro a ser publicado na próxima semana está repleto de mentiras.

É um livro "repleto de fantasia", "mentiras ridículas" e "mexericos de tabloide", um "verdadeiro lixo". Foi com estas expressões que a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, classificou ontem o livro Fire and Fury: Inside the Trump White House (pFogo e Fúria: Na Casa Branca de Trump), a ser posto à venda na próxima semana e no qual é traçado um retrato caótico do primeiro ano da presidência de Donald Trump.

Extratos divulgados sugerem um clima de incompetência recorrente, uma permanente atmosfera disfuncional e conflitos internos, "loucura" e "deslealdade", como o caracteriza o autor do livro, Michael Wolff, num texto ontem publicado no The Hollywood Reporter. No livro, Donald Trump é descrito como "infantil", alguém que não tinha a certeza na vitória nas eleições de novembro. E são-lhe atribuídas caracterizações nada elogiosas feitas por figuras como o conselheiro de segurança nacional, H.R. McMaster, que terá chamado ao presidente "um idiota completo", ou o secretário de Estado, Rex Tillerson, que lhe terá dado o qualificativo de "imbecil" - esta última situação já revelada pelos media americanos.

Por isto, os advogados do presidente pretendem impedir a venda do livro, cujo lançamento está marcado para a próxima terça-feira. E aquele que surge como uma das principais fontes de Michael Wolff, o ex-chefe de estratégia de Trump Steve Bannon, será alvo de ação judicial por "difamação", disse à Reuters o advogado pessoal do presidente, Charles Harder.

Como explicou ontem Sanders, na conferência de imprensa, praticamente tudo o que surge escrito no livro é mentira, e, se a fonte principal é Bannon, o seu conteúdo é ainda mais irrelevante. Este foi afastado de funções em abril de 2017 (deixando a Casa Branca em agosto) e o período que Fire and Fury pretende retratar é posterior àquela data, insistiu a porta-voz de Trump.

Lamentando que quase todas as perguntas feitas incidissem sobre o trabalho de Wolff, tal como já sucedera na véspera, Sanders notou que a "grande maioria" das entrevistas que aquele fez na Casa Branca foram feitas a pedido de Bannon e que o autor não falou mais do que poucos minutos com Trump, e não em relação com o livro. No encontro com os media na terça-feira, Sanders frisara a ideia de haver uma "diferença entre opiniões distintas e factos alternativos. As pessoas têm direito a opiniões diferentes mas não têm direito a criar os seus próprios factos. E o problema é que foi divulgada muita informação enganadora".

Também na quarta-feira, Trump divulgara um comunicado de linguagem violenta, desvalorizando o papel de Bannon na sua campanha. Na noite de quarta para quinta-feira, este último, falando na rádio do grupo Breibart, de que foi um dos fundadores e que dirigiu antes da passagem pela Casa Branca, o ex-conselheiro do presidente garantiu que "nada se intrometeria" entre ele e Trump. O que levou este a comentar ontem de manhã no Twitter que Bannon "mudou de tom muito rapidamente".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.