Trump pede libertação de rapper detido na Suécia: "Estou muito desapontado"

O presidente norte-americano mostrou-se desiludido com o aliado nórdico: "Fazemos tanto pela Suécia, mas não parece que seja recíproco"

O Presidente norte-americano expressou na quinta-feira o seu descontentamento com a Suécia, onde o rapper nova-iorquino ASAP Rocky vai ser julgado por agressão, e pediu a libertação do artista.

"Fazemos tanto pela Suécia, mas não parece que seja recíproco", escreveu Donald Trump na rede social Twitter, numa publicação em que exige a libertação do rapper norte-americano, detido em Estocolmo desde o início deste mês.

O artista nova-iorquino, que se envolveu numa rixa, no final de junho passado, em Estocolmo, foi detido em 03 de julho e encontra-se em prisão preventiva desde 05 de julho, por o tribunal ter considerado existir "risco de fuga" para o exterior.

O caso mobilizou a comunidade 'hip-hop' e chegou ao Presidente norte-americano.

"Estou muito desapontado com o primeiro-ministro sueco, Stefan Löfven, que foi incapaz de agir. A Suécia dececionou a nossa comunidade afro-americana. Assisti aos vídeos de ASAP Rocky e ele estava a ser perseguido e assediado por desordeiros", disse.

O artista alegou ter agido em autodefesa, uma tese já descartada pelo procurador responsável pelo caso.

Rakim Mayers, nome verdadeiro de ASAP Rocky, e dois membros da sua equipa, que também estão detidos com o 'rapper' deverão permanecer detidos até ao julgamento, previsto para agosto.

Na semana passada, Trump tinha demonstrado o seu apoio ao cantor, ao anunciar "estar pronto para garantir pessoalmente a libertação de ASAP Rocky", junto do primeiro-ministro sueco, Stefan Löfven.

Amigos e fãs do 'rapper' recolheram 630 mil assinaturas numa petição, na internet, que pede a sua libertação, indicando que "reagiu à situação em legítima defesa".

ASAP Rocky, de 30 anos, começou a carreira em 2011, com o lançamento do álbum "Live, Love, ASAP".