Trump é "rei palhaço" para diário de Nova Iorque

O Dia da Independência foi comemorado pelo New York Daily News com uma capa que não deixa ninguém indiferente

Não há margem para subtilezas ou ambiguidades na capa do New York Daily News: uma fotomontagem na qual Donald Trump está maquilhado de palhaço, de coroa partida na cabeça, é acompanhada pelo título: "O palhaço que faz de rei não pode derrubar os valores fundamentais desta nação fundada faz hoje 242 anos".

O título faz parte de um editorial que está vedado aos leitores europeus - como todo o site do tabloide, em resultado da nova lei de proteção de dados.

No Twitter, porém, o jornal publicou o texto, ou parte.

Nele recordam-se as palavras dos pais fundadores na Declaração da Independência e compara-se com a atualidade: "A Declaração da Independência falava de uma crueldade tão arbitrária, contra um monarca arrogante que "procurou impedir o povoamento destes estados, obstruindo para esse fim as leis de naturalização de estrangeiros, recusando promulgar outras que animassem as migrações para cá..."

Trump, prossegue o editorial, "dedica as potentes energias da nação a barricar as fronteiras, em separar mães que buscam refúgio das suas crianças, em ordenar aos pais que deixem o país com ou sem filhos agora que um tribunal ordenou a sua reunião".

O NY Daily News afirma que os vistos caíram 12% desde a tomada de posse de Trump, "para negócios, estudos e viagens que fazem parte da força vital da nação". Lembra ainda que o processo de naturalização demorava em média dois meses e que agora "arrasta-se por oito meses ou mais".

O tabloide, que em 2019 chegará a centenário, é um crítico frontal do empresário nova-iorquino de há longo tempo. Antes de ser eleito, já Donald Trump era alvo de fotomontagens em que era retratado como artista de circo.

O diário faz parte do terceiro maior grupo de jornais norte-americanos, Tronc, e inclui títulos como o Chicago Tribune ou o Baltimore Sentinel.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.