Trump e a investigação de Mueller: "Meu Deus. Isto é o fim da minha presidência. Estou f*****"

Em maio de 2017, presidente norte-americano reagiu desta forma à notícia da nomeação do procurador-especial Robert Mueller.

O presidente norte-americano, Donald Trump, foi informado em maio de 2017 pelo procurador-geral Jeff Sessions da nomeação do procurador-especial Robert Mueller. Segundo as notas da chefe de gabinete de Sessions, Jody Hunt, Trump reagiu deixando-se cair na cadeira e dizendo: "Meu Deus, isto é terrível. Isto é o fim da minha presidência. Estou fodido."

De acordo com a mesma fonte, citada no relatório que hoje foi divulgado, Trump terá ainda dito que "toda a gente me diz que se tens uns destes conselhos especiais independentes isso arruína a tua presidência". E que "leva anos e anos e eu não serei capaz de fazer nada. Isto é a pior coisa que já me aconteceu".

Trump também voltou a chatear-se com Sessions por ter apresentado escusa em relação ao tema, dizendo que este o desiludiu. Foi o vice-procurador-geral, Rod Rosenstein, que nomeou Mueller.

Segundo as conclusões do relatório de Mueller sobre a alegada interferência da Rússia nas eleições presidenciais de 2017 e alegado conluio da campanha de Trump, não ficou provado qualquer envolvimento da equipa do republicano nos "esforços" do overno russo "para interferir nas presidenciais".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.