Trump anuncia acordo comercial "muito bom" entre EUA e México

O presidente do México, Enrique Peña Nieto, confirmou acordo com o presidente dos EUA, Donald Trump. Objetivo é reformar o Tratado de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA) e conseguir adesão ao novo acordo também do Canadá

O presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou esta segunda-feira que os Estados Unidos e o México conseguiram alcançar um acordo comercial "muito bom" após longas negociações para a reforma do Tratado de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA).

"É um grande dia para o comércio", afirmou o chefe de Estado norte-americano a partir da Sala Oval (gabinete presidencial na Casa Branca), acrescentando: "É realmente um acordo muito bom para os dois países".

O Canadá, que também é signatário do NAFTA (concretizado em 1994), não participou nesta fase de negociações.

O executivo canadiano assumiu que preferia juntar-se à mesa de discussões após a resolução dos diferendos que separavam os Estados Unidos e o México.

Momentos após a divulgação das declarações de Trump, as agências internacionais avançavam que o presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, tinha incentivado o primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, a juntar-se e a concluir negociações trilaterais no decorrer desta semana.

"Acabei de falar com o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, sobre o estado das negociações sobre o NAFTA e dos avanços entre o México e os Estados Unidos. Disse-lhe que a sua integração no processo era importante, de forma a concluir uma negociação trilateral esta semana", escreveu Enrique Peña Nieto na rede social Twitter.

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".