Trump ameaça UE com "tremendo" castigo caso não ceda no comércio

O setor automóvel será o mais "castigado", uma vez que os EUA tem "um grande poder", afiança o chefe de Estado norte-americano

O presidente norte-americano ameaçou a União Europeia (UE) com uma "tremenda" capacidade de castigo em matéria comercial, especialmente no setor automóvel, uma semana antes de receber o presidente da Comissão Europeia.

"Dizemos que se não negociarmos algo justo, temos uma tremenda capacidade de castigo que não queremos usar, mas temos grandes poderes", declarou Donald Trump, durante uma reunião com os seus ministros na Casa Branca, para preparar a reunião com Jean-Claude Juncker.

"Incluídos os automóveis. Os automóveis são o mais importante. E sabem do que estamos a falar a propósito de automóveis e taxas alfandegárias", acrescentou.

Trump insistiu na necessidade de a UE ceder às suas exigências de facilitar o acesso dos produtos norte-americanos ao mercado europeu e ameaçou com a aplicação de taxas alfandegárias de até 20% sobre as importações de automóveis provenientes da UE.

O governo de Trump já aplicou taxas alfandegárias às importações de aço e alumínio provenientes da UE como parte da sua agressiva agenda protecionista, media a que Bruxelas respondeu com ações similares de represália comercial, aumentando as taxas alfandegárias sobre várias importações oriundas dos EUA.

As declarações de Trump foram feitas uma semana antes de receber Juncker, na Casa Branca, em 25 de julho, para discutir um amplo conjunto de assuntos, incluindo políticas internacionais e de segurança, segurança energética e crescimento económico.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.