Trump ameaça UE com "tremendo" castigo caso não ceda no comércio

O setor automóvel será o mais "castigado", uma vez que os EUA tem "um grande poder", afiança o chefe de Estado norte-americano

O presidente norte-americano ameaçou a União Europeia (UE) com uma "tremenda" capacidade de castigo em matéria comercial, especialmente no setor automóvel, uma semana antes de receber o presidente da Comissão Europeia.

"Dizemos que se não negociarmos algo justo, temos uma tremenda capacidade de castigo que não queremos usar, mas temos grandes poderes", declarou Donald Trump, durante uma reunião com os seus ministros na Casa Branca, para preparar a reunião com Jean-Claude Juncker.

"Incluídos os automóveis. Os automóveis são o mais importante. E sabem do que estamos a falar a propósito de automóveis e taxas alfandegárias", acrescentou.

Trump insistiu na necessidade de a UE ceder às suas exigências de facilitar o acesso dos produtos norte-americanos ao mercado europeu e ameaçou com a aplicação de taxas alfandegárias de até 20% sobre as importações de automóveis provenientes da UE.

O governo de Trump já aplicou taxas alfandegárias às importações de aço e alumínio provenientes da UE como parte da sua agressiva agenda protecionista, media a que Bruxelas respondeu com ações similares de represália comercial, aumentando as taxas alfandegárias sobre várias importações oriundas dos EUA.

As declarações de Trump foram feitas uma semana antes de receber Juncker, na Casa Branca, em 25 de julho, para discutir um amplo conjunto de assuntos, incluindo políticas internacionais e de segurança, segurança energética e crescimento económico.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.