Trump aconselhou May a processar UE. E revelou conversa com a rainha

As réplicas do sismo Donald Trump ainda se fazem sentir no Reino Unido, à medida que se revelam pormenores. É o caso das suas conversas com Theresa May e com Isabel II.

A primeira-ministra britânica anunciou qual foi o conselho "brutal" que Donald Trump lhe dera sobre a forma como lidar com o brexit. Em entrevista ao programa da BBC The Andrew Marr Show, Theresa May disse que o presidente norte-americano aconselhou-a a "processar a União Europeia", ao que a governante conservadora respondeu: "Na realidade vamos negociar."

Na entrevista que Donald Trump deu a Piers Morgan e publicada no Mail on Sunday, na qual o presidente anunciou que vai recandidatar-se em 2020, revelou como foi o seu encontro com a rainha e o que esta pensa do brexit.
"Enquanto eu caminhava dizia [para Melania] 'podes imaginar a minha mãe a ver esta cena? Windsor. Castelo de Windsor'. E foi lindo, foi realmente lindo, mas a rainha é maravilhosa. Ela é tão astuta, tão sensanta, tão linda. De perto, vê-se que ela é tão bonita. É uma pessoa muito especial."

Além das impressões pessoais, Trump revelou sobre o que conversaram: os presidentes que a rainha conheceu, a mãe de Trump, e a saída do Reino Unido da União Europeia.
"Ela disse - e está certa - que é um problema muito complexo, eu acho que ninguém tinha ideia de quão complexo isso seria... Toda a gente pensou que seria 'Oh, é simples, juntamo-nos ou não nos juntamos, ou vamos ver o que acontece..."

Questionado sobre se Isabel II deu alguma indicação do que pensa sobre o tema, Trump respondeu: "Bem, eu não posso dizer, sabe que eu ouvi de muitas pessoas que simplesmente não se fala sobre as conversas que se têm sobre a rainha, certo?"

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.