Tempestade Harper: Três mortos e mais de mil voos cancelados

Duas das vítimas mortais viviam no estado do Missouri e a outra no Kansas.

Pelo menos três pessoas morreram neste fim de semana e mais de mil voos foram cancelados nos Estados Unidos devido à tempestade Harper, que está concentrada no leste do país, segundo a imprensa e as autoridades locais.

A patrulha rodoviária do estado do Missouri confirmou nesta quinta-feira, no Twitter, a morte nos últimos dois dias de duas pessoas nesta área devido as condições meteorológicas.

A terceira vítima é um homem que, segundo a imprensa, perdeu a vida no Kansas num acidente de trânsito enquanto limpava a neve nas estradas.

As más condições também afetaram os aeroportos. Segundo o siteflightaware.com, que monitoriza os movimentos dos aeroportos, pelo menos 1515 voos foram cancelados hoje nos Estados Unidos e 1268 sofreram atrasos.

Segundo o jornal USA Today , desde sexta-feira registaram-se 4280 voos cancelados no país.

O Weather Channel indicou que 14 mil pessoas ficaram sem energia na Carolina do Norte devido à tempestade, enquanto mais de 12 mil estão sem energia na Virgínia, mais de dez mil no Ohio e mais de 16 mil no Connecticut.

A televisão ABC acrescentou que nesta quinta-feira houve queda de neve em áreas do Minnesota, Iowa, Ohio, Illinnois, Pensilvânia, Connecticut e Rhode Island, enquanto a chuva cai na Filadélfia e em Nova Iorque, entre outras.

Numa mensagem no Twitter, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, recomendou aos cidadãos que tomem precauções extremas e reiterou o seu ceticismo sobre a existência de alterações climáticas.

"Tenham cuidado e fiquem em casa, grandes partes do país estão a sofrer tremendos níveis e um frio quase recorde. É surpreendente o quão grande é o sistema, não seria mau ter um pouco daquela alteração climática antiquada agora", disse Trump.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.