Três detidos em Espanha por enterrarem vivos nove cachorros

Ninhada de cachorros foi enterrada debaixo de terra, pedras e barro. Só dois sobreviveram

A Guardia Civil da região espanhola de Murcia deteve três pessoas, acusadas de maus-tratos a animais, por terem enterrado vivos nove cachorros de uma ninhada.

No âmbito da operação "Puppies", a investigação das autoridades partiu de uma denúncia, que alegava que várias pessoas teriam enterrado os cães com poucos dias de vida numa propriedade de Mula, em Murcia. Só dois dos cães sobreviveram.

Segundo o El País, alguns residentes na zona sabiam que uma cadela, da raça Labrador, tinha tido nove crias e cuidava delas num buraco escavado no solo. Na semana passada, perceberam que a cadela estava sozinha e muito agitada, tendo reparado que o buraco onde se aninhava para cuidar dos cachorros estava coberto com terra, barro e pedras. Decidiram destapar o buraco e lá encontraram as nove crias da ninhada, envoltas em barro e com hipotermia.

Levaram a cadela e os filhos de imediato para o veterinário, mas o médico já não conseguiu reanimar sete cachorros, que tinham as vias respiratórias obstruídas com o barro e vários golpes no corpo.

Os animais que sobreviveram foram transferidos para uma casa de acolhimento.

Após a denúncia, as autoridades conseguiram identificar três pessoas da mesma família, que estão agora acusadas de maus-tratos por terem causado a morte a sete cachorros e lesões graves noutros outros dois.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.