Três detidos em Espanha por enterrarem vivos nove cachorros

Ninhada de cachorros foi enterrada debaixo de terra, pedras e barro. Só dois sobreviveram

A Guardia Civil da região espanhola de Murcia deteve três pessoas, acusadas de maus-tratos a animais, por terem enterrado vivos nove cachorros de uma ninhada.

No âmbito da operação "Puppies", a investigação das autoridades partiu de uma denúncia, que alegava que várias pessoas teriam enterrado os cães com poucos dias de vida numa propriedade de Mula, em Murcia. Só dois dos cães sobreviveram.

Segundo o El País, alguns residentes na zona sabiam que uma cadela, da raça Labrador, tinha tido nove crias e cuidava delas num buraco escavado no solo. Na semana passada, perceberam que a cadela estava sozinha e muito agitada, tendo reparado que o buraco onde se aninhava para cuidar dos cachorros estava coberto com terra, barro e pedras. Decidiram destapar o buraco e lá encontraram as nove crias da ninhada, envoltas em barro e com hipotermia.

Levaram a cadela e os filhos de imediato para o veterinário, mas o médico já não conseguiu reanimar sete cachorros, que tinham as vias respiratórias obstruídas com o barro e vários golpes no corpo.

Os animais que sobreviveram foram transferidos para uma casa de acolhimento.

Após a denúncia, as autoridades conseguiram identificar três pessoas da mesma família, que estão agora acusadas de maus-tratos por terem causado a morte a sete cachorros e lesões graves noutros outros dois.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.