Trabalhar quatro dias por semana? É possível. Na Nova Zelândia é um sucesso

Uma empresa na Nova Zelândia resolveu fazer uma experiência. Desde março que os funcionários trabalham quatro dias por semana, com o mesmo salário, e os resultados não podiam ser melhores

E se na sua empresa lhe dissessem que a semana de trabalho passaria a ser de quatro dias? Foi exatamente o que aconteceu aos funcionários da Perpetual Guardian, que puderam tirar um dia de folga por semana, mantendo o mesmo salário e sem horas extra. Uma experiência realizada durante oito semanas que se revelou ser um sucesso.

"Os resultados foram excitantes. A produtividade subiu, os níveis de stress desceram", afirmou o diretor da empresa

A empresa que administra patrimónios, investimentos e faz aplicações gerou o mesmo com menos um dia de trabalho, logo a produtividade cresceu, os níveis de motivação também aumentaram e houve um maior equilíbrio entre a vida profissional e familiar. Mais, os funcionários ficaram mais focados no trabalho, defende o diretor. "Os resultados foram excitantes. A produtividade subiu, os níveis de stress desceram", afirmou Andrew Barnes, fundador e diretor da Perpetual Guardian, e o responsável pela ideia de implementar a semana de quatro dias de trabalho.

Em entrevista à Radio Live, da Nova Zelândia, Barnes revelou ainda que a ligação entre os funcionários e a empresa aumentou. "As pessoas ficaram mais confortáveis com a organização da empresa", afirmou.

"Isto é um presente, não é um direito. Se me dão a produtividade que eu quero eu dou um dia de folga. É respeito mútuo"

Mas se, por um lado, há mais um dia de folga existe também uma maior exigência aos trabalhadores para que os níveis de produtividade se mantenham. "Nós não reduzimos o número de horas de trabalho contratualizadas, mas o que dissemos foi: 'se não mantêm a produtividade retiramos o presente'", explicou.

Mantiveram a produtividade com menos um dia de trabalho e os "níveis de stress diminuíram de forma significativa"

Os 240 trabalhadores da empresa, afirmou Andrew Barnes, tiveram de se adaptar à ideia de ter mais um dia de folga. Aprenderam a "ajustarem-se" a esta nova realidade, que começou a ser testada em março. Mas apesar de saberem que tinham de manter a produtividade, com menos um dia de trabalho, "os níveis de stress diminuíram de forma significativa".

"Isto é um presente, não é um direito. Se me dão a produtividade que eu quero eu dou um dia de folga. É respeito mútuo", afirmou Barnes, que aconselha todas as empresas da Nova Zelândia a experimentarem este modelo de trabalho.

"Os funcionários projetaram uma série de inovações e iniciativas para trabalhar de uma forma mais eficiente e produtiva, desde automatizar processos manuais ou eliminar o uso da internet não relacionado com o trabalho"

Académicos da Universidade de Auckland analisaram as oito semanas desta experiência, com recurso a várias entrevistas, e concluíram que a semana de quatro dias de trabalho não teve efeitos negativos na produtividade da empresa. Bem pelo contrário.

Antes da experiência, apenas 54% dos funcionários afirmaram que conseguiam equilibrar os compromissos profissionais com a vida familiar. Após o teste, este número subiu para 78%

"Os funcionários projetaram uma série de inovações e iniciativas para trabalhar de uma forma mais eficiente e produtiva, desde automatizar processos manuais ou eliminar o uso da internet não relacionado com o trabalho", explicou Helen Delaney, professora da Escola de Negócios da Universidade de Auckland​​​​​, citada pelo The Guardian .

Antes da experiência, em novembro, apenas 54% dos funcionários afirmaram que conseguiam equilibrar os compromissos profissionais com a vida familiar. Após o teste, este número subiu para 78%. O estudo efetuado pelos especialistas refere com a semana de quatro dias, o nível de stress diminuiu 7% ao mesmo tempo que a motivação, o compromisso e nível de empoderamento no trabalho aumentou, com a satisfação de vida a subir em 5%.

O diretor da Perpetual Guardian quer que a semana de quatro dias se torne permanente na empresa e vai, por isso, enviar à administração recomendações nesse sentido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.