Theresa May poderá pedir mais tempo para mudar acordo Brexit

Theresa May deverá pedir mais tempo aos deputados para mudar acordo Brexit. O pedido deverá acontecer esta semana e depois da primeira-ministra britânica tentar convencer a UE a fazer alterações.

A primeira-ministra Theresa May deverá pedir mais tempo aos deputados para garantir mudanças no acordo Brexit, noticia a BBC. Em causa a parte do texto que diz respeito à fronteira do Reino Unido com a Irlanda do Norte e que gerou um impasse nas negociações.

"May deve informar os deputados esta semana, depois de tentar convencer a UE a fazer alterações de última hora", refere o correspondente da BBC, Iain Watson. Mas não será apenas a questão da Irlanda do Norte que estará sobre a mesa, a primeira-ministra vai prometer no parlamento britânico votar outros pontos do Brexit.

O secretário sombra do Brexit, Keir Starmer, disse que os trabalhistas estão a elaborar uma emenda que, se for aprovada esta semana, garantirá uma votação até o final do mês. Já que os trabalhistas estão a tentar que a votação do acordo aconteça até ao final do mês, como tinha sido garantido pela primeira-ministra conservadora. No entanto, não deixou de acusar May de "estar a empatar" para que os deputados só tenham uma escolha entre o seu acordo de Brexit e uma saída sem acordo.

Faltam 47 dias para o Reino Unido sair da UE, o que está agendado para 29 de março, mas o acordo do governo britânico com a UE foi rejeitado pelo Parlamento. Em alternativa, os deputados votaram uma emenda que apoia a maior parte do acordo, com a salvaguarda de poderem fazer acordos pontuais, tentando, assim, evitar uma fronteira física com a Irlanda.

Theresa May está em conversações com Bruxelas para ultrapassar este impasse, sendo que os dirigentes da UE tem-se mostrado indisponíveis para fazer alterações ao anteriormente acordado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.