"A mente humana não consegue imaginar." Investigadores recuperam texto enterrado em Auschwitz

"Não estou triste por ter morrido, mas estou triste por não poder vingar-me como queria", escreveu Marcel Nadjari, num texto recuperado e agora tornado legível

"Todos sofremos coisas aqui que a mente humana não consegue imaginar". Esta é uma das frases do texto que o judeu grego Marcel Nadjari escreveu e enterrou no campo de concentração de Auschwitz, um testemunho de um tempo negro, ao qual não esperava sobreviver. Mais de 70 anos depois, cientistas conseguiram finalmente tornar o texto encontrado em 1980 legível.

O documento foi encontrado dentro de uma garrafa quando um estudante fazia escavações na floresta perto das ruínas do crematório III de Auschwitz-Birkenau, em 1980. Apenas 10 a 15% do texto escrito em grego era legível. O papel esteve enterrado durante 35 anos em solo húmido o que ajudou na degradação, explicou o historiador russo Pavel Polian à Deutsch Welle.

Uma especialista em informática russa conseguiu tornar os contornos das letras visíveis com a ajuda da análise de imagens multiespectral e agora é possível ler cerca de 85 a 90% do texto.

Polian contou à DW que dos cinco presos de Auschwitz que escreveram e enterraram cartas, a maioria descoberta em 1945, Nadjari foi o único sobrevivente e a sua mensagem foi a última a ser encontrada. Na carta Nadjari conta que o trabalho dos presos era entregar os cadáveres aos fornos crematórios onde "um ser humano acaba em cerca de 640 gramas de cinza".

"Todos sofremos coisas aqui que a mente humana não consegue imaginar", escreveu Nadjari. "Debaixo de um jardim há dois quartos subterrâneos: um é para se despirem e o outro é uma câmara da morte. Entram nuas e quando está cheio com cerca de 3 mil pessoas, fecham e são gaseados", explicou.

O historiador Polian distingue o texto de Marcel Nadjari dos outros cinco encontrados no mesmo campo, pois é o único que fala sobre vingança. "Não estou triste por ter morrido, mas estou triste por não poder vingar-me como queria", escreveu o grego, que acabou por sobreviver ao Holocausto.

Marcel Nadjari, de origem grega, foi deportado para Auschwitz em 1944 e trabalhava na equipa "Sonderkommando", onde tinha como função retirar os cadáveres das câmaras de gás.

Após a guerra voltou para a sua terra de origem e em 1951 foi com a sua mulher e filho para os EUA, onde trabalhou como alfaiate. Morreu em 1971 com 54 anos, em Nova Iorque.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.