Supremo adia decisão sobre Bolsonaro

Dois juízes consideraram o candidato culpado do crime de racismo e outros dois inocentaram-no. O quinto e decisivo pediu mais tempo para analisar o processo

O Supremo Tribunal Federal (STF) adiou a decisão sobre a ação movida pela procuradora-geral da República contra Jair Boslonaro, candidato pelo PSL à presidência da República, por racismo. Dos cinco juízes a quem cabia decidir, dois consideraram-no culpado e outros dois viram-no como inocente. Alexandre de Moraes, o magistrado a quem caberia o voto de Minerva, optou por pedir mais tempo para analisar o processo.

O processo era relativo a declarações do deputado, em abril, numa visita ao Clube Hebraica, em São Paulo, com "cunho discriminatório, incitando o ódio e atingindo diretamente vários grupos sociais", alegou a procuradora-geral Raquel Dodge. Na ocasião, Bolsonaro disse que afrodescendentes que habitam quilombos, comunidades rurais de descendentes de escravos, "não fazem nada e nem para procriar servem mais", e que as reservas em causa, assim como as de indígenas, atrapalham a economia do país porque custam, segundo o candidato, mil milhões por ano aos cofres do estado.

Para a defesa de Bolsonaro, as declarações não podem ser criminalizadas porque foram feitas no contexto da sua atuação parlamentar e visaram apenas criticar a política brasileira de demarcação de terras: "O contexto das falas apontadas como ofensivas aos povos quilombolas e indígenas, pois, era o de uma crítica ampla e genérica à política de demarcação de terras e os impedimentos que podem trazer à geração de riqueza e emprego".

O ex-capitão do exército dissera ainda que o afrodescendente mais leve que ele encontrou numa visita a um quilombo "pesava sete arrobas". A procuradora-geral da República viu racismo na comparação com uma unidade de peso de animais, o que os advogados de Bolsonaro contestam. "O uso da unidade de medida 'arroba' para se referir ao peso dos quilombolas, cumpre esclarecer, não foi feito para desumanizá-los ou equipará-los a animais, como sugeriram os representantes da denúncia, mas apenas e tão somente o uso de uma hipérbole, a fim de enfatizar o discurso".

Se Bolsonaro passar à condição de arguido, deve, segundo a maioria dos observadores, estar habilitado a concorrer à presidência, até porque já está nessa situação noutro processo por incitamento à violação, por ter dito a uma deputada do PT em plenário que só não a estuprava porque ela não merecia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.