Suécia vai reabrir a investigação ao homicídio de Olof Palme

Novo inquérito vai ser conduzido pelo procurador Krister Petersson, especialista em crime organizado e que investigou, por exemplo, o homicídio de Ana Lindh, ministra dos Negócios Estrangeiros da Suécia

A Suécia vai reabrir o inquérito sobre a morte do primeiro-ministro Olof Palme, assassinado na capital sueca em 1986, apesar das inúmeras pistas já investigadas pelas autoridades, anunciou a procuradoria de Estocolmo.

Olof Palme, primeiro-ministro e líder do Partido Social Democrata sueco, foi morto a tiro na rua, quando se encontrava acompanhado da mulher, tendo o assassino fugido com a arma do crime.

Nos anos 1980 mais de dez mil pessoas foram interrogadas e 134 declararam-se culpadas mas o crime continua por resolver.

Em 1989, Christer Pettersson, um toxicodependente sueco, chegou a ser condenado pelo crime depois de ter sido identificado por Lisbet Palme, viúva do primeiro-ministro.

Apesar da condenação em primeira instância, o processo de identificação foi fortemente criticado, e o homem acabou por ser libertado poucos meses depois.

Na altura, o testemunho de Lisbet Palme foi retirado por terem sido verificadas graves falhas técnicas no processo.

Christer Petterson, que morreu em 2004, chegou a admitir a autoria do crime mas acabou por negar a confissão inicial.

O novo inquérito vai ser conduzido pelo procurador Krister Petersson, especialista em crime organizado, e que ao longo dos últimos 20 anos tem estado envolvido em investigações de grandes casos como o assassinato de Ana Lindh, ministra dos Negócios Estrangeiros da Suécia, morta à facada em 2003 por um homem com problemas psiquiátricos.

Segundo a Procuradoria, Petersson vai dar início ao processo em fevereiro de 2017.

"Sinto-me honrado e aceito a missão com energia", declarou Petersson através de um comunicado, considerando tratar-se de uma questão "interessante" e "importante".

O Caso Olof Palme reúne milhares de documentos que ocupam 250 metros de estantes.

Exclusivos