Sri Lanka volta a adotar pena de morte para erradicar drogas

O Sri Lanka vai lançar um programa para erradicar a droga no país em dois anos, anunciou o Presidente, avançando que vai voltar a adotar pena de morte para o uso e tráfico de drogas.

"É necessário implementar a pena de morte para acabar com a ameaça da droga ilegal", afirmou o Presidente, Maithripala Sirisena, acrescentando que a suspensão da pena capital levou a um aumento do crime e à expansão do narcotráfico.

Maithripala Sirisena adiantou que os militares e a polícia vão lançar um "amplo programa" contra as drogas que visa erradicar o uso e o tráfico em dois anos.

Embora não tenha adiantado o dia em que passará a ser adotada a pena de morte, o Presidente garantiu que isso acontecerá "nos próximos dias", afirmando ainda que "a lista [das primeiras execuções] está pronta".

Os grupos de defesa dos direitos humanos da União Europeia já criticaram a medida anunciada e o Harm Reduction International, uma Organização Não Governamental que funciona como conselheira das Nações Unidas, referiu que não existe qualquer prova de que execuções consigam diminuir ou acabar com o uso ou o tráfico de drogas.

A última vez que o Sri Lanka executou um prisioneiro foi em 1976.Atualmente há 1.299 detidos no corredor da morte, incluindo 48 condenados por crimes relacionados com droga.

Ao mesmo tempo que o Presidente anunciava a nova política de combate às drogas, as autoridades do país realizaram uma espécie de cerimónia pública para destruir 770 quilogramas de cocaína.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.